Que crise económica? Os lucros aumentam!

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ir em baixo

Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Nambuangongo em Sab Jan 01, 2011 1:49 pm

Enquanto os progressistas e os esquerdistas escrevem sobre as "crises do capitalismo", os industriais, as companhias petrolíferas, os banqueiros e muitas outras grandes empresas de ambos os lados do Atlântico e da costa do Pacífico encaminham-se sorrateiramente para a banca.




A partir do primeiro trimestre deste ano, os lucros das empresas dispararam entre vinte a mais de cem por cento (Financial Times, 10/Agosto/2010, p. 7). Na realidade, os lucros das empresas subiram mais do que antes do início da recessão em 2008 (Money Morning, 31/Março/2010). Contrariamente aos bloggers progressistas as taxas dos lucros estão a subir em vez de descer, principalmente entre as maiores empresas (Consensus Economics, 12/Agosto/2010). O acréscimo dos lucros empresariais é consequência direta do agravamento das crises da classe trabalhadora, dos funcionários públicos e privados e das pequenas e médias empresas.

No início da recessão, o grande capital eliminou milhões de postos de trabalho (um em cada quatro americanos ficou desempregado em 2010), conseguiu recuos dos patrões dos sindicatos, beneficiou de isenções de impostos, de subsídios e de empréstimos praticamente sem juros dos governos locais, estaduais e federal.

Quando a recessão bateu no fundo temporariamente, os grandes negócios duplicaram a produção com a restante mão-de-obra, intensificando a exploração (maior produção por trabalhador) e reduziram os custos passando para a classe trabalhadora uma fatia muito maior dos encargos com os seguros de saúde e com os benefícios de pensões a aquiescência dos responsáveis milionários dos sindicatos. O resultado é que, embora as receitas tenham diminuído, os lucros subiram e os balancetes melhoraram (Financial Times, 10/Agosto/2010). Paradoxalmente, os diretores-gerais utilizaram o pretexto e a retórica das "crises" oriunda dos jornalistas progressistas para impedir os trabalhadores de exigirem uma fatia maior dos lucros florescentes, ajudados pela reserva cada vez maior de trabalhadores desempregados e sub-empregados como possíveis "substitutos" (amarelos) no caso de ações de protesto.

A atual explosão de lucros não beneficiou todos os sectores do capitalismo: a sorte grande saiu sobretudo às maiores empresas. Em contrapartida, muitas pequenas e médias empresas registaram altas taxas de falências e de prejuízos, o que as tornou baratas e presa fácil para aquisição pelos "grandes chefões" ( Financial Times, 01/Agosto/2010). As crises do capital médio levaram à concentração e centralização do capital e contribuíram para a taxa crescente de lucros das empresas maiores.

O diagnóstico falhado das crises capitalistas feito pela esquerda e pelos progressistas tem sido um problema omnipresente desde o fim da II Guerra Mundial, quando nos foi dito que o capitalismo estava ’em estagnação’ e se dirigia para um colapso final. Os recentes profetas do apocalipse viram na recessão de 2008-2009 a queda definitiva e total do sistema capitalista mundial. Cegos pelo etnocentrismo euro-americano, não viram que o capital asiático nunca entrou nas "crises finais" e a América Latina teve uma versão suave e passageira ( Financial Times. 09/Junho/2010, p. 9). Os falsos profetas não conseguiram reconhecer que os diferentes tipos de capitalismo são mais ou menos susceptíveis às crises… e que algumas variantes tendem a sofrer rápidas recuperações (Ásia, América Latina, Alemanha) enquanto outras (EUA, Inglaterra, Europa do Sul e do Leste) são mais susceptíveis a recuperações anêmicas e precárias.

Enquanto a Exxon-Mobil arrebanhou mais de 100% de aumento de lucros em 2010 e as empresas de automóveis registaram os seus maiores lucros dos últimos anos, os salários dos trabalhadores e o seu nível de vida diminuíram e os funcionários públicos sofreram pesados cortes e despedimentos maciços. É óbvio que a recuperação de lucros empresariais se baseia na mais dura exploração da mão-de-obra e de maiores transferências de recursos públicos para as grandes empresas privadas. O estado capitalista, com o presidente democrata Obama à frente, transferiu milhares de milhões para o grande capital através das operações de salvamento, empréstimos praticamente isentos de juros, cortes nos impostos e pressionou a força de trabalho a aceitar salários mais baixos e reduções na saúde e das pensões. O plano da Casa Branca para a ’recuperação’ resultou para lá de todas as expectativas – os lucros empresariais recuperaram; "só" a grande maioria dos trabalhadores é que se afundou mais nas crises.

As previsões falhadas dos progressistas quanto à morte do capitalismo são consequência direta da subavaliação da dimensão com que a Casa Branca e o Congresso iria pilhar o erário público para ressuscitar o capital. Subavaliaram o grau com que o capital iria ser aliviado para sacudir toda a carga da recuperação de lucros para cima das costas dos trabalhadores. Neste aspecto, a retórica progressista sobre a "resistência da força de trabalho" e o "movimento sindical" refletiram a falta de compreensão de que praticamente não tem havido qualquer resistência à redução dos salários sociais e monetários porque não existe organização da força de trabalho. O que se intitula como tal está completamente ossificado e ao serviço dos defensores da Wall Street do Partido Democrata na Casa Branca.

Processo precário

O que o atual impacto desigual e injusto do sistema capitalista nos diz é que o capitalismo consegue ultrapassar as crises aumentando apenas a exploração e anulando décadas de "ganhos sociais". Mas o atual processo de recuperação de lucros é altamente precário porque se baseia na exploração de inventários atuais, taxas de juros baixas e cortes nos custos da mão-de-obra (Financial Times, 10/Agosto/2010, p. 7). Não se baseia em novos investimentos privados dinâmicos nem no aumento da capacidade produtiva. Por outras palavras, são "ganhos ocasionais" – não são lucros provenientes de receitas de vendas acrescidas nem de mercados de consumo em expansão. Como poderiam ser – se os salários estão a diminuir e o desemprego, o sub-emprego e a redução da mão-de-obra é maior do que 22%? Obviamente, esta explosão de lucros a curto prazo, com base em vantagens políticas e sociais e num poder privilegiado, não é sustentável. Há limites para os despedimentos maciços de funcionários públicos e para os ganhos de produção a partir da exploração intensificada da mão-de-obra… alguma coisa tem que ceder. Uma coisa é certa: O sistema capitalista não vai cair nem ser substituído por causa da sua podridão interna ou"contradições".

James Petras


Fonte: VoltaireNet.org


avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Dom Jan 02, 2011 2:57 pm

Talvez fosse a altura de ler de novo o Anselm Jappe que tanto gosta de recomendar aos outros. Esse Petras é um anti-semita e não é por acaso que foi publicado em Portugal numa revista neo-fascista revistafinismundi .blogspot.com .
avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Nambuangongo em Dom Jan 02, 2011 6:30 pm

Ganda Tanga escreveu:Talvez fosse a altura de ler de novo o Anselm Jappe que tanto gosta de recomendar aos outros. Esse Petras é um anti-semita e não é por acaso que foi publicado em Portugal numa revista neo-fascista revistafinismundi .blogspot.com .

O pensamento crítico são julga e valora um artigo pelo seu conteúdo, não pelo nome de quem o assina. Isso chama-se preconceito.

De outra parte, pelo que eu sei o James Petras não é anti-semita, como muito um anti-fascismo-israelita, essa ultra-direita violenta e genocida que afortunadamente não representa a totalidade do povo judeu.

Eu não estou ao tanto das publicações neo-fascistas, que você parece conhecer bem. Como nem sabia da existência dessa que o senhor cita, não poderia dizer se tem o carácter político que lhe atribui, nem das motivações desses supostos neo-fascistas para terem publicado este artigo, caso for certo. Só posso dizer que tal coisa seria uma gigantesca contradição.

Contudo muito obrigado por nos ter informado do que acontece nas catacumbas neo-fascistas portuguesas, submundo merdento e residual que aparentemente desperta no senhor muito interesse.




As minhas saudações para você, e a minha solidariedade para o povo palestino.
avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qua Jan 05, 2011 2:12 pm

Quem reanima o velho tema anti-semita da conspiração todo-poderosa dos judeus não pode receber outra classificação. Esse tipo pretende que Israel e os sionistas americanos têm um poder desmedido influenciando a política americana. Como se a burguesia americana não soubesse cuidar dos seus próprios interesses e deixasse que uma minoria particular a desviasse. Que o Estado de Israel acuse de anti-semitismo os seus críticos isso não impede que haja verdadeiros anti-semitas. Se referi o Jappe é porque a escola dele costuma denunciar uma certa visão conspirativa do capitalismo que não tem em conta o seu funcionamento estrutural impessoal como estruturalmente anti-semita. Você acha que não há crise?

Mas voltando ao Petras anti-semita. Ele usa mesmo as imagens anti-semitas típicas.

James Petras:"The power base of the ZPC (Zionist Power Configuration) is found in the local activist doctors, dentists, lawyers, real estate brokers and landlords who preside over the local confederations and their several hundred thousand affiliates. It is they who harass, badger, browbeat, raise money and organize propaganda junkets for elected officials and ensure their support for Israeli wars and increases in the US multi-billion dollar aid packages to Israel….The ZIONIST OCTOPUS has extended its tentacles far beyond the traditional centers of big city power and national politics, reaching into remote towns and cultural spheres."
------------------------------------------------------------------------------------

An antisemitic cartoon depicts the Jews as an octopus with its tentacles encircling the globe. This type of propaganda purported the existence of a Jewish "Illuminati," a group of greedy and immoral overlords controlling the world while remaining hidden. Circa 1938.


Sempre existiu um anti-semitismo de esquerda, e foi um terreno onde visões de direita e de esquerda convergiram para dar origem ao fascismo. Isso é muito comum na europa de leste. Muita da esquerda anti-imperialista e nacionalista não é completamente imune pelo menos a tolerar esse tipo de coisas quando aparece de maneira menos escancarada.

Eu descobri a tal catacumba fascista porque descobri um autor português numa página web nacional-anarquista inglesa e tive curiosidade. Esse tipo move-se num terreno da extrema-direita onde se tomam e reciclam teorias de esquerda, anarquistas e ultra-esquerda. Talvez em certos contextos essa gente seja por demais negligenciável, mas noutros não, como nos países árabes e no leste da europa. Acho muito estranho que se queira ignorar ou mesmo defender tendências claramente reaccionárias só porque vêm da esquerda e por causa do malvado imperialismo. Já agora também acha perfeitamente inocente que o reseaux voltaire divulgue teses anti-semitas e conspiranóicas? E nomeadamente seja muito amiga do regime fascista iraniano.

A minha solidariedade com o proletariado israelita e do resto do mundo! A minha hostilidade contra o fascismo clerical do Hamas e do Irão e contra todos os outros Estados do mundo também. E já agora aproveito para declarar a minha rejeição de todos os trapos coloridos que servem para irmanar classes antagónicas e fragmentar o proletariado mundial.
avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Nambuangongo em Qua Jan 05, 2011 3:19 pm

Sempre existiu um anti-semitismo de esquerda, e foi um terreno onde visões de direita e de esquerda convergiram para dar origem ao fascismo. Isso é muito comum na europa de leste. Muita da esquerda anti-imperialista e nacionalista não é completamente imune pelo menos a tolerar esse tipo de coisas quando aparece de maneira menos escancarada.

Antes de continuares com a canção do «anti-semitismo», diz a wikipédia:

    «O termo semita tem como principal designação o conjunto linguístico composto por uma família de vários povos, entre os quais se destacam os árabes e hebreus, que compartilham as mesmas origens culturais. A origem da palavra semita vem de uma expressão no Gênesis e referia-se a linhagem de descendentes de Sem, filho de Noé. Modernamente, as línguas semíticas estão incluídas na família camito-semítica.

    Historicamente, esses povos tiveram grande influência cultural, pois as três grandes religiões monoteístas do mundo -judaísmo, cristianismo e islamismo- possuem raízes semitas.

    Devido a diversas migrações, não podemos falar de um grupo étnico homogêneo. Portanto, muitas línguas compõem a família semítica, incluindo as seguintes: acadiano, ugarítico, fenício, hebraico, aramaico, árabe, etíope, egípcio, copta guanche, somali, gala, afar-saho, haúça, assírio e caldeu.»



Serão os palestinos e pró-palestinos «anti-semitas»?




A minha solidariedade com o proletariado israelita e do resto do mundo! A minha hostilidade contra o fascismo clerical do Hamas e do Irão e contra todos os outros Estados do mundo também. E já agora aproveito para declarar a minha rejeição de todos os trapos coloridos que servem para irmanar classes antagónicas e fragmentar o proletariado mundial.

Concordo 100%. Mas «o proletariado do resto do mundo» inclui o proletariado palestino? Porque acho que anda bem mais fodido que o israelita...

A tua «hostilidade contra o fascismo clerical» também inclui a ortodoxia clerical hebraica? Porque creio que há mais clérigos fascistas e mais poderosos entre os hebraicos de Israel que entre os palestinos. Eu conheço palestinos ateus, mas não sei se é possível o ateísmo ou o laicismo entre os israelitas...

O que tu tens é uma boa empanada mental. A gente com ideias claras, independentemente da religião, nacionalidade, ou ideologia económica, diante do genocídio palestino tem ética e humanidade. Só as bestas fascistas podem apoiar o que lá acontece.

avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qua Jan 05, 2011 4:02 pm

Discordo dessa abordagem do anti-semitismo como se estivesse ligada a um mero racismo contra os semitas onde se incluiriam também os árabes. Isso porque aquilo que se designa por anti-semitismo não é nem foi isso historicamente. Houve um anti-semitismo cristão europeu medieval e há um moderno, e ambos visam apenas o judeu e não o árabe.

Este anti-semitismo é uma espécie de visão do mundo total, em que se concebem os judeus como conspiradores todo-poderosos e os verdadeiros donos do mundo por trás das cortinas. São associados a um cosmopolitismo desagregador, a todo o tipo de males da modernidade incluído o capitalismo, visto como pernicioso apenas no seu lado financeiro, por oposição ao capitalismo industrial. Esse foi o anti-semitismo dos nazis e da era pré-nazi e é basicamente com essas características que reaparece, embora se adicione também o tema de Israel e do sionismo, ou se omita referências explícitas ao judaísmo e se substituam pelos seus equivalentes anteriores, a finança internacional, etc. No leste também se renova a associação do judeu ao comunismo.

Esta visão do mundo é completamente irracional mas por ser mais simples costuma ser aceite facilmente como uma espécie de anti-capitalismo simplório. No leste da europa é directamente aceite e no ocidente passa uma versão mais limpa na forma de teorias da conspiração de iluminatis, etc. Eu gostaria que este fenómeno fosse marginal mas vejo-o muito espalhado. Espero que seja só na net.

Sobre o leste há um autor que acho que vale a pena ler, um tal G. M. Tamás. Há vários artigos em inglês na net. Ajudou-me a compreender um pouco melhor a política dessa parte do mundo.
avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qua Jan 05, 2011 4:05 pm

O que tu tens é uma boa empanada mental. A gente com ideias claras, independentemente da religião, nacionalidade, ou ideologia económica, diante do genocídio palestino tem ética e humanidade. Só as bestas fascistas podem apoiar o que lá acontece.

Eu não apoiei coisíssima nenhuma. Esse procedimento parece-me típico dos estalinistas quando queriam calar a crítica falando de agentes da cia ou de trostki-hitlerianos. Embora compreenda a reacção já que realmente se vê por aí muita gente a defender a agressão israelita com os argumentos mais espatafúrdios. Mas eu não fiz nada disso. E Israel não é o único lugar do mundo onde há desse tipo de coisas.
avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Merda para os Haredi

Mensagem  Nambuangongo em Qua Jan 05, 2011 4:22 pm

Declaras a tua rejeição de todos os trapos coloridos...

...exceto este trapo colorido?





Eu são ateu, mas respeito e irmano-me com este semita da foto:



Eu também estou informado da política dessa parte do mundo e da ideologia dos genocidas dessa parte do mundo. Sem existir «o problema palestino», a minha posição antissionista (não antissemita) continuaria a ser igual de clara e contundente, porque o sionismo é fascismo.

avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qua Jan 05, 2011 4:23 pm

Eu conheço palestinos ateus, mas não sei se é possível o ateísmo ou o laicismo entre os israelitas...

Acho que precisas de uma cura anti-anti-sionista. Podes conhecer muitos palestinianos ateus mas o que não faltam são fanáticos reaccionários que atiram ácido à cara das mulheres que não usam véu, e isso em plena intifada. Quanto a não achares possível ser-se laico e israelita deves ser informado apenas pelo reseaux voltaire ou directamente por alguma agência que denuncia o complô judeu internacional. Qualquer outra fonte mostra-te muitos israelitas laicos. Infelizmente o nacionalismo toma as suas formas particulares mais adequadas a cada situação e a sua chantagem exerce-se dos dois lados, embora seja inegável a maior dureza a que estão sujeitos os palestinianos. Se nas minhas intervenções pareço realçar de maneira assimétrica os dois lados nacionais é porque estou a contrariar uma visão assimétrica. Em qualquer outro país em conflito com os vizinhos, numa situação não revolucionária, o nacionalismo é forte. Esperar que os israelitas sejam menos dados a ele é colocá-los numa situação excepcional.
avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qua Jan 05, 2011 4:30 pm

O sionismo é nacionalismo. E depois do que já afirmei não tenho que me defender da acusação de que gosto do trapo nacional israelita. O Churchill era fascista ao ser chefe de estado dum império? A Turquia é fascista ao reprimir movimentos nacionalistas existentes dentro do seu território? Israel deveria simplesmente desaparecer mantendo-se os outros estados?
avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qui Jan 06, 2011 11:45 am



O banqueiro com traços fisionómicos típicos das caricaturas anti-semitas. Vinha com esta legenda: "«Fica sabendo, rei, que não prestamos culto aos teus deuses e que não adoraremos a estátua de ouro que tu levantaste»
Antigo Testamento, Daniel 3 :18"

Num blog que se descreve como: "Um blogue sobre os movimentos sociais, a ecologia, a contra-cultura, os livros, com uma perspectiva crítica sobre todas as formas de poder (económico, político, etc)"

Numa página esquerdóide Street Art Utopia um pai natal com traços fisionómicos "semitas".



Outra citação do Petras:

"The stories implicating Israel [in the 9/11 attacks] were completely dismissed by all the media and political leaders across the spectrum. Now U.S. federal investigators reveals [sic] that the Israeli's [sic] may have known about the attack before it occurred and not shared it. This raises the question of the relationships between the Arab terrorists and the Israeli secret police. Did the Israelis penetrate the group or pick up information about them? Federal investigators' confidential information could probably clarify these vital questions. But will the confidential information ever become public? Most likely not. For the very reason that it would expose Israeli influence in the U.S. via its secret agents and more importantly via its powerful overseas lobby and allies in government and finance. The lack of any public statement concerning Israel's possible knowledge of 9/11 is indicative of the vast, ubiquitous and aggressive nature of its powerful diaspora supporters."

A situação dos palestinianos não é desculpa para o anti-semitismo. O que aconteceu aqui foi isso mesmo. Posso ser criticado por não criticar o conteúdo do artigo. Aceito isso. Mas é repugnante ser atacado como defensor da agressão israelita aos palestinianos, apesar de em lado nenhum o ter feito, apenas porque denunciei o anti-semitismo dum esquerdista. E mais uma coisa, não existe nenhum GENOCÍDIO palestiniano. Existiu um genocídio judeu que não tem comparação nenhuma com a actual situação dos palestinianos. Este abuso da linguagem beira o anti-semitismo por banalizar o genocídio dos judeus e por atribuir o qualificativo de genocídio a um processo, que por mais repugnante que seja, não é um genocídio, apenas porque é feito por judeus. Como se um estado judeu não tivesse o mesmo "direito" a desenvolver o mesmo tipo de práticas nacionalistas agressivas de todos os outros estados , sem ser logo comparado aos nazis. Se a situação dos palestinianos nos deve comover mais uma razão para não desculpar quem veicula ideologia anti-semita, modernizando-a, tendo em conta aquilo a que ela levou no passado: um genocídio.

Esse Petras escreve no portal Rebelion onde já pude ver artigos anti-semitas mais que explícitos dum tal Manuel Freytas. Procurando o artigo dele que me chamou a atenção descobri muito pior:


El poder oculto: De donde nace la impunidad de Israel www.aporrea.org/actualidad/n158685.html

Anti-semitismo delirante!!!

E um artigo encontrado no Rebelion onde se aceitam as teses revisionistas históricas que negam o genocídio dos judeus, onde se referem com aprovação a vários desses negacionistas, nomeadamente o Garaudy, claro exemplo de esquerdista convertido ao anti-semitismo:



Israel, al igual que su socio criminal, también ha basado su existencia y dominación, principalmente sobre el pueblo palestino, en la falsificación de la realidad.

Varios historiadores israelíes como Shlomo Sand, Benny Morris o Ilan Pappe, han cuestionado los mitos sobre los que el sionismo ha pretendido levantar su Estado. Autores como Roger Garaudy (Mitos Fundacionales del Estado de Israel) o Ralph Schoenman (Historia oculta del sionismo), no sólo que cuestionan las mentiras oficiales sobre el origen y constitución posterior del Estado de Israel, sino también la falsificación de datos y hechos históricos acaecidos durante la Segunda Guerra Mundial, así como el ocultamiento de los crímenes cometidos por el sionismo para acabar con el pueblo palestino.

El problema en el caso del Estado de Israel radica en el hecho de que cualquier crítica que se dirija contra el sionismo es vista como antisemitismo.

www.rebelion.org/noticia.php?id=109245

Este portal Rebelion é um monte de lixo anti-semita tal como o reseau voltaire, o resistir.info português e cada vez mais lugares esquerdistas especializados em atacar o "Império", Israel, e em defender nacionalistas reaccionários em vários graus como Venezuela, o Irão e a Coreia do Norte. Estas viúvas de Estaline, que já antes tinham substituído a luta de classes pela geopolítica e que sob o nome de anti-imperialismo defendiam os vários blocos imperialistas concorrentes dos Estados Unidos, encontraram por fim onde empregar os seus talentos. Na defesa do capitalismo mais bárabro e retrógrado e na propagação do anti-semitismo.


Agora uma piada grotesca! O artigo do anti-semita Manuel Freytas foi publicado no site venezuelano Aporrea onde se pode ler na secção Nosotros:

"NO AL RACISMO, LA HOMOFOBIA, XENOFOBIA Y EL ANTI-SEMITISMO

Aporrea defiende valores de igualdad y justicia, por ende, combatimos la discriminación basada en raza, credo, nacionalidad, género u orientación sexual. Por ende, a lo largo de nuestra trayectoria hemos rechazado la publicación de material que promueva la homofobia, el racismo, al anti-semitismo y la xenofobia. Sin embargo, la gran cantidad de material y la diversidad e inconsistencia reinante en nuestro equipo de moderadores, hace que en ocasiones se cuele algun contenido que viole estos principios. Instamos a los lectores a ayudarnos a identificar instancias en las cuales esto suceda para tomar medidas. En ocasiones en que Aporrea ha cometido estos errores, procuramos ofrecer disculpas a nuestros usuarios al tiempo que removemos el material violatorio de nuestros principios."

Como o artigo anti-semita foi publicado lá há meses, ou os responsáveis do site têm uma definição peculiar de anti-semitismo ou nenhum leitor se queixou, o que diz muito sobre os leitores. Basta que um artigo não diga que os judeus são uma raça maldita e que devem ser exterminados para que a velha propaganda anti-semita vagamente e fracamente retocada com uns pós modernos se torne aceitável. Israel acusa os críticos de anti-semitismo ( e nalguns casos tem razão) enquanto os anti-semitas se escudam nisso para parecerem aceitáveis, sobretudo quando de maneira completamente arbitrária trocam o nome judeu por sionista. Os judeus, segundo esta escumalha merdosa, são os únicos capazes de actuar concertados a nível global. Qual América, qual Alemanha, qual Japão! São os judeus!


"Pero cuando hablamos de Israel, hablamos (por extensión) de la referencia más significante de un sistema capitalista globalizado que controla gobiernos, países, sistemas económicos productivos, bancos centrales, centros financieros, arsenales nucleares y complejos militares industriales.

Cuando hablamos de Israel, hablamos antes que nada de un diseño estratégico de poder mundial que lo protege, interactivo y totalizado, que se concreta mediante una red infinita de asociaciones y vasos comunicantes entre el capital financiero, industrial y de servicios que convierte a los países y gobiernos en gerencias de enclave."

Hitler não teria dito melhor! Para acabar com a guerra e com a crise e a globalização destrua-se Israel e a rede internacional de banqueiros e intelectuais judeus!

"Son los amos invisibles del planeta: los que manejan a los países y a presidentes por control remoto, como si fueran títeres de última generación." Os iluminattis! São judeus! O capitalismo não é anarquia, é controlado por amos invisíveis!

Veja-se, os pobres goyim não se atrevem a levantar a voz por medo desses amos todo-poderosos. Ma há uma novidade, o anti-semitismo é um mito, é "anti-semitismo", entre aspas. Note-se que este discurso do Freytas é quase igual ao anti-semitismo que levou ao genocídio dos judeus.

"C) El mito del "antisemitismo"

A este fenómeno de "poder capitalista mundial" judío, y no a Israel, es lo que temen los presidentes, políticos, periodistas, e intelectuales que evitan puntillosamente condenar o nombrar los periódicos genocidios militares de Israel en Gaza, repitiendo lo que ya hicieron durante la masacre israelí en Libano en el 2006.

La gran complicidad internacional con las masacres periódicas israelíes no se gestan por miedo al Estado de Israel sino por miedo a lo que representa el Estado de Israel.

No se trata de Israel, un Estado sionista más, sino del "Gran Israel", la patria del judaísmo mundial (con territorio robado a los palestinos), de la cual todos los judíos del mundo se sienten sus hijos pródigos desperdigados por el mundo.

No se trata de Israel, sino de las poderosas organizaciones y comunidades judías mundiales que apoyaron en bloque el genocidio militar de Israel en Gaza, que utilizan su poder y "escala de prestigio" (construida mediante su victimización histórica con el Holocausto) para convertir en un leproso social al que se atreva criticar o a levantar la voz contra el exterminio militar israelí en Gaza.

Los gobiernos del mundo capitalista, los periodistas, intelectuales, organizaciones sindicales y sociales no le temen a Israel, sino a su lapidación social como "antisemita" (mote que se le otorga al que enfrenta y/o denuncia al sionismo judío).

No le temen al Estado de Israel, sino a los hijos de Israel camuflados en los grandes centros de decisión del poder mundial, sobre todo económicos-financieros y mediático-culturales.

Los políticos, intelectuales y periodistas del sistema no temen a Israel, sino que temen a los medios, organizaciones y empresas judías, y a su influencia sobre los gobiernos y procesos económicos-culturales del sistema sionista capitalista extendido por todos los países a escala planetaria."


Se isto não é anti-semitismo, é o quê? E os nazis não denunciavam também o capitalismo plutocrático mundial dos judeus? A este só lhe falta denunciar também o bolchevismo como judaico. Mas porquê fazê-lo num período em que já não há bolcheviques e os seus herdeiros são apenas bons nacionalistas anti-americanos?
avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Isabel em Qui Jan 06, 2011 12:51 pm

Os traços fisionómicos que chamas de "semitas" são traços europeus. De onde é ou que religião professa esta moça?






Também é certo que a maior parte (todos?) de banqueiros da elite mundial são judeus.


David Rockefeller




Baron Rothschild
http://www.jewishjournal.com/obituaries/article/baron_rothschild_banking_royalty_dies_at_98_20070622/



Sigmund Warburg


Últimos presidentes do Banco Mundial:




James D. Wolfensohn



Paul Wolfowitz



Robert Zoellick


Quando o rio soa, água leva.

E isto?: http://www.israelshamir.net/Portuguese/As_Sete_Vacas_Magras.htm
avatar
Isabel

Mensagens : 276
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qui Jan 06, 2011 1:24 pm

Para a santinha Isabel: Você está a gozar comigo? Não conhece os traços estereotipados do judeu na propaganda anti-semita? Não são os mesmos que são reproduzidos nesta propaganda actual anti-banqueiros?

Deixe-se de querer confundir o que está claro. E esse site que linkou é anti-semita. Já que encontra tanto material duvidoso na net, seguramente encontrará também material crítico desse material duvidoso. Duvidoso é eufemismo.

-----------------------------

Voltando ao Manuel Freytas. O tipo redefine completamente o que o anti-semitismo sempre foi na modernidade para depois falar em mito do "anti-semitismo" e defender precisamente aquilo que o anti-semitismo foi e é mas como se não fosse anti-semitismo mas uma espécie de senso-comum.

http://web.archive.org/web/20080212201010/iarnoticias.com/secciones_2006/medio_oriente/0085_judios_lobby_relig_28ag06.html

É que o anti-semitismo moderno é precisamente essa teoria delirante sobre o controlo oculto do mundo pelos judeus através da finança internacional e da cultura intelectual (agora , os media). O aspecto religioso não entra e o racial não entra da maneira que ele pretende fazer crer, para fazer passar o anti-semitismo dele como não-anti-semitismo, como mero anti-capitalismo.


avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Isabel em Qui Jan 06, 2011 1:57 pm



Estás a dizer que não é certo que os banqueiros mais ricos dos EUA e do mundo são judeus e que têm traços físicos europeus celto-germanos?
avatar
Isabel

Mensagens : 276
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qui Jan 06, 2011 2:16 pm

que tem isso a ver mesmo que seja verdade? está fazer-se desentendida? o anti-semitismo não é um racismo típico, é uma visão conspirativa do capitalismo em que o judeu é a personificação de certos aspectos do capital.

vejamos, existe uma propaganda anti-semita anterior à segunda guerra mundial onde os judeus são apresentados com certos traços fisionómicos estereotipados. o que mais salta à vista é o nariz de "judeu". já nessa altura o judeu era também o banqueiro cosmopolita e pouco patriota. finança internacional e judeu eram sinónimos nesse discurso.

agora, existe uma certa propaganda visual que exprime a revolta contra a situação de crise, em que a figura do banqueiro é caricaturizada da mesma maneira que o judeu era e é.

e existe em muitos sites e publicações um certo anti-capitalismo superficial que se pretende anti-sionista mas que resgata basicamente a visão do mundo anti-semita. é disso que se trata. se você insiste em vir desconversar, linkar para páginas de negadores do holocausto e anti-semitas fique sabendo que vou passar a considerá-la da mesma maneira que considero qualquer vulgar neo-nazi.

e outra coisa. o que são traços celtas? celta é o nome que se dá a certas línguas moribundas e a um tipo de cruz muito apreciado por anti-semitas. os irlandeses e bretões falam na sua esmagadora maioria inglês e francês. sorte a deles.
avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Isabel em Qui Jan 06, 2011 2:36 pm

Ganda Tanga escreveu:que tem isso a ver mesmo que seja verdade? está fazer-se desentendida? o anti-semitismo não é um racismo típico, é uma visão conspirativa do capitalismo em que o judeu é a personificação de certos aspectos do capital.

E estás a dizer que não há fundamento para isso? Shocked

Bom, eu escrevi «traços europeus celto-germanos», que é bastante diferente. Não lhe chamam "caucásico" nos EUA? É o tipo de humano das imagens que deixei acima (de todas). Um branco.

avatar
Isabel

Mensagens : 276
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qui Jan 06, 2011 2:41 pm

Serão mesmo judeus os banqueiros mais ricos do mundo? E desde quando o capital "judeu" deixou de obedecer às mesmas leis férreas impessoais (e que forçam qualquer capitalista a vergar-se a elas) que o resto do capital? Os capitalistas, sejam judeus ou não, estão sujeitos a um processo que eles não controlam, a chamada economia. No capitalismo, como um sistema bastante anárquico, muito poucos acontecimentos são controláveis. E de certeza não aqueles referidos pelos seus amigos anti-semitas. E não bastando isso, era ainda por cima um grupo étnico minúsculo e muitas vezes perseguido, nomeadamente nos Estados Unidos, que conseguia controlar tudo e enganar toda a gente! Mas em período de crise saem do armário uns iluminados que não se deixam iludir e dão uma explicação simples e confortavelmente patriótica aos cidadão sobre os verdadeiros responsáveis de todos os problemas. O capitalista, seja qual for a sua cultura, é um mero funcionário do capital. O dono do mundo é o capital, é a nossa actividade alienada que se volta contra nós e nos domina. O capital é uma relação social e não uma teia de poderosos a decidir apenas para sentirem o gosto do mando. Quando os capitalistas conspiram é para fazerem aceitar o processo impessoal do capital, (que se impõe a eles) àqueles que pouco interesse têm em se vergar a esse processo, os trabalhadores. E não há nada de especificamente judeu nisto.

Talvez eu não tenha uma grande capacidade para explicar isto, tanto pela dificuldade do tema como pelas minhas limitações pessoais.

Há um texto em espanhol que tenta abordar isto a um nível mais teórico:
http://tempscritiques.free.fr/spip.php?article262

nesta versão em espanhol faltam as notas e um parágrafo.
em francês está completo:
http://tempscritiques.free.fr/spip.php?article9

E em inglês:http://libcom.org/library/anti-semitism-national-socialism-moishe-postone

Penso que o artigo pode ajudar explicando melhor temas que eu tentei introduzir na discussão. Mas útil seria o seguinte:
-Ignorar a relação que se procura estabelecer entre a questão sionista e o anti-semitismo. Funciona como uma chantagem dos anti-semitas, usando a indignação com Israel.
- Começar a questionar seriamente todo o tipo de teorias da conspiração.
- Não esquecer o holocausto e o nazismo. Não empalideceram coisíssima nenhuma com o conflito israelo-palestiniano. Devia permitir o cepticismo em relação a teorias supostamente bem construídas mas anti-semitas. Esse cepticismo deveria fazer procurar críticas a essas teorias aparentemente convincentes. Talvez não o sejam. Essa lembrança deveria bastar para não ceder à chantagem conspiranóica de que quem não concorda com os desmascaradores do complô são alienadas e manipulados.
-Ler material anti-semita "original". Os Protocolos, Hitler, Henry Ford. Talvez se descubra que as teorias supostamente convincentes não tenham nada de novo.


Última edição por Ganda Tanga em Qui Jan 06, 2011 3:11 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qui Jan 06, 2011 2:43 pm

Isabel escreveu:
Ganda Tanga escreveu:que tem isso a ver mesmo que seja verdade? está fazer-se desentendida? o anti-semitismo não é um racismo típico, é uma visão conspirativa do capitalismo em que o judeu é a personificação de certos aspectos do capital.

E estás a dizer que não há fundamento para isso? Shocked




Para os anti-semitas há.
avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Isabel em Qui Jan 06, 2011 4:42 pm

Ganda Tanga escreveu:Serão mesmo judeus os banqueiros mais ricos do mundo? E desde quando o capital "judeu" deixou de obedecer às mesmas leis férreas impessoais (e que forçam qualquer capitalista a vergar-se a elas) que o resto do capital? Os capitalistas, sejam judeus ou não, estão sujeitos a um processo que eles não controlam, a chamada economia.


Laughing Ganda Tanga, os banqueiros judeus não são uns capitalistas quaisquer... Eles não sofrem a crise, eles não estão sujeitos a leis férreas: eles fazem a crise e as leis. É-che um bocado diferente.

Não são argumentos para anti-semitas. É o que há. Algum banqueiro da elite haverá que não seja judeu, digo eu. Algum haverá. A ver se o achas e no-lo apresentas.
avatar
Isabel

Mensagens : 276
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qui Jan 06, 2011 5:42 pm

Vergonhoso. É o segundo lugar onde verifico que os grandes críticos do Sistema, em geral desdenhosos de Marx, são afinal anti-semitas. As leis da economia não são criadas por ninguém. Ou melhor, resultam precisamente da falta de controlo colectivo da nossa actividade. Não são naturais, correspondem a determinadas maneiras de viver numa sociedade específica, mas não são como decretos feitos por interesse ou capricho deste ou aquele grupo ou governo.

Os nazis também eram contra as elites e o capitalismo, tal como eles o entendiam, que é precisamente a sua maneira de o entender.

Eis o resultado desse anti-capitalismo:






Não digo que o resultado do ressurgimento do anti-semitismo vá dar num novo holocausto. Afinal, poucos judeus sobraram. Mas nos países de leste essa visão do mundo alimenta um neo-fascismo que é já poderoso e até mainstream. E essa política reaccionária alimenta-se de uma indignação legítima contra os efeitos do capitalismo mas que é desviada para o reforçar. Em todo o mundo a LUTA CONTRA O CAPITALISMO, QUE SE FAZ PREMENTE, precisa de lucidez e consciência e de se apoiar numa política que ataque o capitalismo na raiz e não em fantasias paranóicas e paralisantes.
avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Isabel em Qui Jan 06, 2011 6:20 pm



Anti-semita eu? Que culpa tenho eu de que a elite da banca mundial seja judia...? Por mim como se se convertem ao budismo, esses banqueiros...
avatar
Isabel

Mensagens : 276
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qui Jan 06, 2011 7:09 pm

O anti-semitismo é essa visão conspiranóica, precisamente. No limite nem precisa de judeus. Para os nazis um comunista era um judeu mental. (http://silenciodospoetas.wordpress.com/2010/12/31/consideracoes-inoportunas-e-politicamente-incorrectas/) Não entendo, depois de tudo o que disse, que se continue a achar que o anti-semitismo está ligado a algum racismo vulgar ou pior ainda a uma perseguição religiosa. Eu na minha ignorância já pensei assim também. Mas o anti-semitismo não foi nem é isso. Diria mesmo que é ele que alimenta todo o tipo de teorias da conspiração e lhes serve de modelo.
O capitalismo não é nenhuma forma de controlo por parte de uma elite de banqueiros, sejam eles judeus ou não. Essa persistência em aceitar a maneira de pensar, para além dos conteúdos, da teoria da conspiração, permite que se aceite que o sionismo é que domina a política mundial, não só devido aos banqueiros, o Petras fala mesmo dos dentistas também, que a guerra é promovida pelo sionismo e não pelos interesses capitalistas americanos. O capitalismo baseia-se na expropriação da maioria da humanidade dos meios de produção, transformando-os em proletários, que vendem a sua actividade como única mercadoria que possuem, para sobreviverem num mundo onde toda a produção é mercadoria, e a coerência da sociedade se dá pela troca desses produtos. Essa situação implica a perda de controlo consciente desse processo e a actividade dos indivíduos é constrangida a submeter-se a imperativos que resultam da autonomização dessa actividade da qual se perdeu o controlo. O dinheiro, os bancos, são parte disso. Não somos controlados por uma elite de banqueiros mas pelos processos impessoais e cegos do capitalismo. As crises não são criadas para nos controlar, resultam das contradições inerentes a esse processo. Por isso não temos que barafustar e denunciar nenhuma conspiração mas sim acabar com o que permite todo este processo e que é a nossa actividade alienada. Ou seja, expropriar os expropriadores, retomar colectivamente o controlo sobre a nossa vida apoderando-nos dos meios de a produzir, acabar com o trabalho assalariado, criar conscientemente em função das nossas capacidades, necessidades e desejos. O inimigo não está em Wall Street, está na vida quotidiana que reproduzimos quando vamos trabalhar. (http://comunism0.wordpress.com/2010/07/17/quotidiano/)

Li há pouco tempo sobre o número de judeus que pertenciam ao órgãos dirigentes do partido bolchevique e também a outras organizações do tipo e é impressionante. Uma percentagem anormalmente alta. Infelizmente não me lembro agora onde li isso. E é sabido que o anti-semitismo considerava também o bolchevismo como fenómeno manipulado pela elite judaica.
Também o número de judeus que participaram na guerra de Espanha, do lado republicano, é extremamente elevada.

Se me lembrar da fonte sobre a percentagem de judeus dirigentes revolucionários, meto aqui. Fiquei mesmo impressionado. Mas não foi em nenhum desses sites conspiranóicos e anti-semitas, que seguramente também possuem uma lista de vermelhos judaicos, tal como possuem uma lista de banqueiros judaicos.
avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qui Jan 06, 2011 7:57 pm

Retirado dum blogue:

El secreto mejor guardado (x Anónimo)


No es una conspiración gubernamental, o de grandes corporaciones, de
oscuras logias, o de agencias de inteligencia.

El secreto mejor guardado de esta sociedad es éste:

Cada persona en el mundo es la co-creadora de esta sociedad y de todas
sus virtudes y sus defectos, desde lo más noble a lo más monstruoso.

Sucede que esta co-creación no es consciente, sino alienada. Por eso
"el mundo", "la sociedad", "la historia", "la realidad" se presentan
como cosas extrañas y hostiles a los individuos que las crean, como
cosas que se crean a sí mismas y que condicionan definitiva y
rígidamente a los individuos.

El secreto mejor guardado es que la gente común, la trabajadora, la
que no tiene poder, es la que puede cambiar todo esto. No sólo
colectivamente, en momentos donde la indignación de muchos individuos
se transforma en acción política de masas. También individual y
grupalmente, en la vida cotidiana, aquella porción mayoritaria de la
realidad vista como "gris" desde la perspectiva que sólo ve el cambio
a través de la política.

En cada momento tenés la oportunidad de aportar a tu cambio personal y
al cambio social eligiendo otras opciones a las que estás acostumbrado
(incluyendo la opción de crear otras opciones).

La auto-ayuda* explota este secreto y por eso tiene tanto éxito,
porque la gente -sobre todo de clase media, que es la que tiene el
capital cultural compatible con la auto-ayuda- busca algún tipo de
control sobre sus vidas. Pero la auto-ayuda ofrece soluciones
individualistas y voluntaristas. Explica los problemas sociales como
problemas personales, y esto es reduccionismo. Hay algo de verdad que
el cambio personal puede ayudar al cambio social, pero la sociedad es
algo más que la suma de los individuos que la componen.

La solución está en ser creativo y para eso hay que ser más
consciente. Buscar herramientas teóricas es útil, pero practicar más
seguido la autoobservación y lanzarse a la pileta eligiendo distinto
también.

* Que además es un nombre inapropiado. Si para auto-ayudarnos
necesitamos seguir los consejos de un experto en auto-ayuda, entonces
en realidad la parte de "auto" es una ficción.


-------------------------

A ênfase, no fim, das possibilidades de mudanças individuais parece-me exagerada e em todo o caso completamente inefectiva ao nível da sociedade como um todo. Cai quase na ideologia do empreendedorismo. Uns poucos até podem ter êxito mas a maioria que tente viver o quotidiano de maneira radicalmente dissidente arrisca-se a cair na miséria material e afectiva., sem emprego, sem casa, sem família ou qualquer outro ambiente que a substitua.

---------------------------


Hoje usei duas palavras que não existem em português. Fastidiar e inefectivo.
avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Moses Mordecai Levy em Qui Jan 06, 2011 10:27 pm

Dei-me ao trabalho de passar os olhos pelo texto do negacionista do holocausto, o Shamir e leio:

Olhai mais para trás, para o grande susto da SIDA em 1990. Então supôs-se que a SIDA iria destruir o mundo como o conhecemos e que mataria biliões; mas na verdade, apenas causou algumas baixas nas comunidades dos homossexuais. Sim, os manufactores dos preservativos e a Big Pharma fizeram uma fortuna e os indutores do sentimento de culpa acusaram-nos de sermos pouco compassivos com os sofredores, mas, na verdade, foi apenas um susto.


Então a SIDA em África? Apenas algumas baixas nas comunidades dos homossexuais? Um susto?


eles querem escravizar a América e o mundo.

Pobre América!

Não se é preciso ser judeu para se usar as tácticas judaicas, e os banqueiros americanos – judeus ou não judeus – tiraram uma folha do livro tradicional das patifarias judaicas e aplicaram-na numa escala inaudita. E entre estas patifarias, a bancarrota é uma das mais populares.

Aqui o mau tradutor em vez de patifarias judaicas poderia ter escrito judiarias.

Não é por acaso que o arquitecto do colapso, Alan Greenspan, fez o seu juramento para o Federal Office sobre o Talmude em frente de Ayn Rand, satânico criador do culto do Egoísmo Iluminado. (O Atlas Encolhido de Rand lê-se como o Mein Kampf romanceado por Barbara Cartland, observou sarcasticamente o nosso amigo Ian Williams.)

Ayn Rand é mulher. E é satânica como os judeus? É engraçado estes anti-semitas acusarem os liberais de escreverem livros que se assemelham ao Mein Kampf, quando o que eles próprios escrevem é que se assemelha. Será verdade a história do talmude? Confesso que não entendo onde o anti-semita quer chegar com esta. Jurou sobre o talmude para tirar o valor ao juramento que sabia que iria quebrar?


As ideias dele sobre o dinheiro são uma treta. E de certeza que nunca ouviu falar da baixa tendencial da taxa de lucro. Pudera, isso é coisa do judeu Karl Marx!

avatar
Moses Mordecai Levy

Mensagens : 111
Data de inscrição : 27/12/2010
Localização : Beira do Precipício

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Coincidências curiosas

Mensagem  Nambuangongo em Sex Jan 07, 2011 4:53 am

Nesta ligação há imagens de curiosas coincidências entre o nazismo e o sionismo.



A maioria dos judeus concordam com isto e rejeitam o sionismo, tão só a ultradireita sionista usamericana defende Israel e o que está a fazer o estado fascista de Israel, mas essa ultradireita é muito rica e poderosa. E tem todo um exército mediático à sua disposição, desde os noticiários das principais estações de TV até o as supreproduções do cinema Made in Hollywood.






avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Que crise económica? Os lucros aumentam!

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum