Erramos quando votamos partidos...?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Erramos quando votamos partidos...?

Mensagem  AGIL em Sab Jun 11, 2011 4:48 am

Em GARA leio hoje este artigo, que traduzo:

2011 junio 11.- GARA > Idatzia > Iritzia> Jo puntua
Floren Aoiz ( www.elomendia.com ): Fraudes patrióticas

A tendência dos povos a errarem, segundo parece, é tão universal quanto a existência de patriotas dispostos a corrigirem o falhanço, ainda que seja ao custo de anos de terror e violação de todos os direitos

Rosário é cidade situada à beira do Paraná, que, como não cessam de me lembrar por cá, é rio de verdade. Depois dum assado, tomamos um café com amigos argentinos de origem basca, falamos em eleições e aparece a fraude patriótica, o jeito em que num tempo foi denominada por estas terras a fraude eleitoral perpetrada para que não ganhasse quem não devia. O de fraude entende-se, mas o de patriótica é, com certeza, ocultação do conto-do-vigário. O povo era inculto, diziam, facilmente manipulável pelos extremistas, portanto, por que não o manipularmos diretamente, mas por razões exclusivamente patrióticas!

A gente tem o horrendo costume de eleger a quem não deve. Isso é, ao menos, o que pensaram os que contestaram com banho de sangue e décadas de ditadura o triunfo da Frente Popular no "Estado español" em 1936. As democráticas potências ocidentais, as mesmas que nada objetaram contra a vitória eleitoral de Hitler, decidiram que o povo argelino errara ao votar pelo islamistas, como o nicaraguano errava ao apoiar os sandinistas, os chilenos o Allende... A tendência dos povos a errar, segundo parece, é tão universal quanto a existência de patriotas dispostos a corrigir o falhanço, ainda que seja ao custo de genocídios e anos de terror e violação de todos os direitos.

O povo que se equivoca paga. Algo sabemos disto os bscos, que nunca pudemos eleger o nosso estatuto político. Já aprendemos que votar o que não se deve, chame-se Constitución española, europeia ou pertença à OTAN, acarreta não ser tidos em conta. Ou votamos o que querem que votemos, ou os votos, passados pelo filtro da fraude patriótica, tornam-se fume. Que lho digan a Patxi López, mestre da magia que, em lugar de fazer sair coelhos das cartolas logra que se esvaeçam oportunamente os 100.000 votos que afastariam o seu traseiro do cadeirão de lehendakari da CAV.
Segundo me contam por cá e aprendi pela minha conta por lá, à fraude patriótica acaba tomando gosto. Para que vai molestar-se alguém em ganhar eleições se podem modelar-se os resultados à vontade? Adquirido de vez o costume, debe ser cansado observar que o povo persiste na obsessiva tendência a errar. Pesados donostiarras, não compreenderam que devia ganhar Odón o guay e não Bildu? Guipuscoanos indocumentados, quem lhes deu a ideia de votar por uma lista de esquerdas e abertzale que quer levar o território à Idade Média?
Ainda que esta vez a fraude não tenha impedido a presença de Bildu, a lógica projeta-se sobre a eleição do governo navarro, presidentes de câmaras municipais e deputações forais. Não lhes basta com afanar a mais de 40.000 cidadãos e cidadãs o direito a ser elegidos. Agora cumpre reformular a fraude patriótica para impor o princípio de que alguns, embora fossem elegidos pelo povo, não deven governar. Na casa ou a 10.000 quilómetros um trapaceiro é um trapaceiro e todos os povos sofrem o acoso destes profissionais da fraude, com certeza, patriótica.
http://www.gara.net/paperezkoa/20110611/271821/es/Fraudes-patrioticos

AGIL

Mensagens : 88
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum