DIGAMOS "NÃO" À INVASÃO DA LÍBIA

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

DIGAMOS "NÃO" À INVASÃO DA LÍBIA

Mensagem  AGIL em Sex Mar 25, 2011 8:26 am

Dizem que não é guerra, que vão proteger od direitos humanos, que... Tudo mentiras, mentiras, mentiras.
DIGAMOS NÃO À INVASÃO DA LÍBIA!

AGIL

Mensagens : 88
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DIGAMOS "NÃO" À INVASÃO DA LÍBIA

Mensagem  AGIL em Sex Mar 25, 2011 8:33 am

Hoje em Público.pt:

«Emirados Árabes Unidos juntam-se à missão com 12 aviões.- NATO planeou operação dos aliados [ou enleados?] na Líbia para durar três meses
25.03.2011 - 11:37 Por Dulce Furtado
As forças da coligação internacional prosseguiram esta noite e madrugada os ataques aéreos contra as posições militares do contestado líder líbio Muammar Khadafi – incidindo sobre as cidades de Ajdabiya e a capital, Trípoli – pelo sexto dia da ofensiva, que responsáveis da NATO prevêem vir a durar três meses...
:::
No reino bourbónico, é assim que o Zapa vai libertar-nos da crise? Matando gente e não conseguindo nenhum benefício, salvo o da venda de armas... aos "rebeldes"?

Ajudou a NATO à ETA para libertar os bascos do jugo bourbónico-franquista?

AGIL

Mensagens : 88
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DIGAMOS "NÃO" À INVASÃO DA LÍBIA

Mensagem  AGIL em Sex Mar 25, 2011 8:49 am

Em GARA pode ler-se:

2011 Martxoaren 25.- GARA > Idatzia > Iritzia> Jo puntua
Alvaro Reizabal, advogado: Insultos à inteligência

O que acontece em Líbia é que não importam os civis, mas o petróleo que há baixo os seus pés. Querem que engulamos não só os rodícios, mas também as aspas.

Aqueles que regem os destinos do mundo pronunciam-se, amiúdo, como se todos fôssemos tontos e estivéssemos dispostos a acreditar nas patranhas que nos lançam, como se fôssemos meninos a aguardar o conto que nos fará dormir. É conduta que não nos pilha de surpresa. Que os governantes queiram meter-nos petas como como catedrais é mais do que frequente, sobretudo em épocas pré-eleitorais como na que estamos. Mas há vezes que se excedem, como, por exemplo, nestes dias em que se corre o risco de morerr de sobredose.

[...]

Sem superar ainda a crise nuclear japonesa, metem-nos noutra guerra, que, embora o pareça, não é tal, mas ação humanitária para proteger a população civil dos ataques indiscriminados de Khadafi, de quem recebiam presentes, como cavalos de raça árabe e ao que agora chamam ditador.

A ação humanitária consiste em bombardear por mar e ar tudo o que pihlam, o que sem dúvida está gerando mais perdas em vidas humanas que as que se diz que tentam evitar. O que em Líbia acontece é que há dous exércitos confrontados e a "comunidade internacional" ajuda desesperadamente a um deles porque agora interessa que mande esse e não o outro. Não importam os civis, mas o petróleo que há baixo seus pés. Querem que engulamos não só os rodícios, mas também as aspas. Cabrões!

AGIL

Mensagens : 88
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DIGAMOS "NÃO" À INVASÃO DA LÍBIA

Mensagem  AGIL em Seg Abr 04, 2011 4:43 am

El gran negocio de Libia.- Los cables de la embajada de EEUU en Trípoli entre 2006 y 2010 filtrados por Wikileaks muestran obsesión por los pozos de petróleo
PERE RUSIÑOL MADRID 03/04/2011 08:00 Actualizado: 03/04/2011 16:38

Pasó de paria a amigo de Occidente y acumulaba muestras públicas de amistad de los más variados mandatarios, desde Silvio Berlusconi hasta Tony Blair, pasando por José María Aznar, José Luis Rodríguez Zapatero y el rey Juan Carlos. Pero incluso durante esta luna de miel, Muamar Gadafi ponía los pelos de punta a los diplomáticos de EEUU en Trípoli, según revelan decenas de cables secretos de la embajada filtrados por Wikileaks, que muestran una auténtica obsesión por los pozos de petróleo y por las dificultades que bajo su régimen encontraban las empresas occidentales para operar en el país.

"En Libia, el negocio es la política y Gadafi controla ambos", sostenía un informe confidencial de febrero de 2009. Los cables de los diplomáticos de EEUU lamentan reiteradamente las interferencias de la familia Gadafi, que controlaba los sectores económicos más lucrativos. Pero el asunto estrella de los documentos filtrados, que generó ríos de tinta muy superiores a la preocupación por los derechos humanos, es el endurecimiento de las condiciones de la docena de compañías petroleras occidentales que operan en el país, lo que provoca un gran malestar en la embajada.

Libia es el primer productor africano de crudo y dobla en reservas a EEUU

Libia es el primer país africano en reservas de petróleo, con 46.000 millones de barriles estimados, el doble que EEUU. En 2010, alcanzó los 1,8 millones por día, procedentes en un 80% de la zona de Sirte y cuya venta supuso el 95% de los ingresos del Estado. Los principales clientes son Italia (28%), Francia (15%), China (11%), Alemania (10%) y España (10%).

Crudo fácil de extraer

El petróleo libio no sólo es abundante, sino de gran calidad y fácil de extraer, lo que lo hace especialmente rentable: en algunas zonas, el coste de extracción es de apenas un dólar el barril. Cuando entre 2003 y 2004, Naciones Unidas y EEUU levantaron las sanciones, tras la renuncia del régimen a la producción de armas de destrucción masiva, las grandes petroleras occidentales volvieron masivamente al país.

Los diplomáticos maniobraron contra el jefe de la empresa pública petrolera

Las compañías internacionales que dominan el mercado libio son Eni, Repsol YPF y el consorcio estadounidense Oasis, que integra en Libia a CoconoPhillips, Marathon Oil y Ameranda Hess. Pero está también sólidamente instalada PetroCanadá, TNK y Gaz-prom (Rusia), Total (Francia), Saga Petroleum (Noruega), Wintershall y RWE (Alemania), OMV (Austria), BP (Reino Unido), Occidental, Halliburton, Exxon (EEUU) Chevron se marchó en 2010 porque sus exploraciones no daban resultados, Woodside (Australia) y Japan Exploration Company, entre otros.
Indignación

La Embajada de EEUU siguió con lupa las condiciones del sector y reflejó su creciente indignación en los cables que enviaba a Washington. A partir de 2006, el régimen libio inició una ronda de contactos con las multinacionales para extender las licencias y endurecer sus condiciones exigía ampliar la cuota de beneficios que corresponde al Estado y el pago de un bonus millonario adicional, entre otras novedades, pese a que los contratos se habían firmado hacía apenas tres años y que faltaba mucho para que expiraran, lo que provocó gran malestar a la Embajada. Y cuando la mayoría de petroleras aceptaban y firmaban, los funcionarios estadounidenses no ocultaban su indignación.

Washington: España se beneficia de la "cálida relación" de Gadafi y el rey

La alarma se enciende para EEUU a finales de 2007, cuando Eni aceptó las nuevas condiciones y firmó: "Pese a que Eni lo vende como un éxito, el acuerdo conlleva aspectos negativos y puede facilitar el camino para que se impongan exigencias similares a otras concesionarias de petróleo y gas extranjeros", lamenta un cable del 26 de octubre. Y añade: "El resultado es que Libia se queda con una parte mayor del petróleo producido y en las cuentas de Eni constarán menos reservas".

En cables posteriores, los diplomáticos de EEUU ahondan su preocupación: "Ejecutivos de empresas occidentales han mostrado reservas muy serias. Un ejecutivo dice que el acuerdo asusta y hay una preocupación generalizada de que ahora buscarán acuerdos similares con el resto". Y más: "La creciente avaricia de la NOC [empresa pública petrolera de Libia] puede hacer disminuir el interés de los principales operadores en Libia."

Las petroleras van firmando las nuevas condiciones, pero ello no aplaca el malestar de la Embajada de EEUU, que en noviembre de 2007 redacta otro informe: "Libia es un lugar excepcionalmente difícil para las petroleras internacionales, que tienen que afrontar numerosos y bizantinos problemas y sus márgenes de beneficios son comparativamente menores. La situación empeorará en los próximos años porque el Gobierno busca concesiones adicionales para maximizar los beneficios".

Cuando en junio de 2008 PetroCanadá firma un nuevo contrato que según la embajada de EEUU supone un espaldarazo a "los esfuerzos libios para imponer términos más duros a las petroleras extranjeras", los diplomáticos de EEUU muestran ya resignación: "Ante los altos precios del petróleo y las limitadas posibilidades para nuevas exploraciones y producción, las petroleras tragan y firman".

La única alegría se la da Chevron, que en julio de ese año explica su intención de dejar el país porque no encuentra yacimientos en la zona asignada. El funcionario lo registra así: "Son pesimistas ante las perspectivas negativas de encontrar algo. Además, son contrarios a esta mentalidad de subasta [del Gobierno libio] y reticentes a acceder a los términos draconianos que exige la NOC".

En enero de 2009, la Embajada apunta directamente al jefe del NOC, Shukri Ghanem, y monta varias reuniones con ejecutivos del sector que lo critican. Según los informes de la Embajada, entre los ejecutivos occidentales hay un "extendido malestar" contra él por su "falta de experiencia técnica" y por su "reticencia a reunirse con los ejecutivos de las petroleras extranjeras".

"Su enfoque y estilo han alienado a las petroleras extranjeras y daña la cooperación potencial. Otros ejecutivos nos cuentan que en determinados aspectos es un regreso al estilo de la década de 1970, cuando se veía a las compañías extranjeras desde una lente nacionalista que las consideraba entidades depredadoras", añade el informe. Y concluye: "El 95% de la economía depende del petróleo. El hecho de que el NOC esté en manos de un individuo autócrata mal visto por sus subordinados y por los profesionales internacionales del petróleo no augura nada bueno en el objetivo libio de incrementar la producción de 1,7 barriles por día a los 3 millones".

Poco después, el Gobierno libio convocó a las petroleras para pedirles que contribuyeran a un fondo "voluntario" que le permitiría compensar las indemnizaciones por acciones terroristas del pasado. "Hay malestar. Se les dice que tendrán mejor trato si hacen contribuciones "voluntarias". Tras la reunión, los mánagers se muestran firmes en no pagar, pero hay el rumor de que Gazprom y pequeñas firmas ya han contribuido".
Ola de privatizaciones

Este malestar se extiende a todos los nichos de negocio que van apareciendo al son de la ola privatizadora emprendida por el régimen. Los cables de la Embajada tratan sistemáticamente de enfriar el interés de las empresas de EEUU que quieren invertir en Libia.

Cuando el gigante Bechtel renuncia a construir un puerto comercial en Sirte que tenía apalabrado, la embajada lo eleva a categoría: "El fracaso de Bechtel muestra cómo se toman las decisiones ante las inversiones extranjeras importantes. Tras un año de esfuerzo y pese al desembolso de un millón de dólares, a numerosas visitas de alto nivel y a supuestos compromisos formales del Gobierno, ha sido imposible. El hecho de que un operador con los conocimientos y la potencia económica de Bechtel no lo logre debería servir como lección para la gran cantidad de empresas occidentales que quieren entrar en el floreciente mercado libio."

La Embajada también enfría el entusiasmo levantado por el ambicioso plan de privatizaciones puesto en marcha por Gadafi. En un cable de noviembre de 2009, advierte de que el Gobierno libio exige que los nuevos propietarios privados mantengan los puestos de trabajo: "Esto a menudo hace que sea poco atractivo para un inversor extranjero, en la medida en que la productividad de las empresas públicas libias es infame y tienen exceso de personal como consecuencia de las generosas leyes laborales libias".

Por los cables desfilan todo tipo de negocios, algunos patrocinados o bendecidos por gobiernos: manejos de Italia para que la empresa Sipsa gane un contrato para destruir químicos, el intento infructuoso de la empresa británica York Guns de colocar 130.000 rifles automáticos que los diplomáticos sospechan que acabarán en Chad o Sudán, operación vetada por el Gobierno británico que acabará asumiendo sin problema la rumana NFI, la mediación de un diplomático español en nombre de Espidesa (Técnicas Reunidas), que buscaba el visto bueno de EEUU para construir una fábrica de ácido nítrico, o las sugerencias de Tony Blair para que Libia invierta en Sierra Leona y Ruanda, países que el ex primer ministro británico dice que son prioritarios para su organización caritativa.

Los diplomáticos de EEUU describen también la tirantez entre las autoridades libias y francesas: subrayan la feroz oposición de Gadafi al proyecto de Unión Euromediteránea y los comentarios "sarcásticos" del mandatario libio sobre Sarkozy. Y, en sentido inverso, auguran un acercamiento a España tras la visita del rey a Trípoli, en 2009: "Entendiendo que en Libia el negocio es la política y que Gadafi controla ambos, España probablemente se beneficiará de la cálida relación entre Gadafi y el rey".

Aznar abrió el camino en 2003

José María Aznar fue uno de los dirigentes clave que facilitó la reinserción internacional del régimen de Muamar Gadafi y la expansión de empresas occidentales en Libia. En septiembre de 2003, el entonces presidente del Gobierno español fue el primer mandatario occidental en entrevistarse con Gadafi en Trípoli tras el levantamiento de las sanciones.

Pacto nuclear con Francia, Rusia y Estados Unidos

Gadafi buscó acuerdos simultáneos con Francia, EEUU y Rusia para iniciar un programa nuclear civil. Todos mostraron predisposición, pero ninguno pasó de las buenas palabras. El primer paso se dio durante la visita de Nicolas Sarkozy a Trípoli en julio de 2007, cuando ambos países suscribieron un memorando para cooperar en "las aplicaciones pacíficas de la energía nuclear".

La Embajada de EEUU consideró el pacto como "vago programa de cooperación que no compromete a nada". En abril de 2008, durante una visita de Vladímir Putin y "ante la insistencia libia" -subraya un cable filtrado-, Trípoli firmó otro memorando de cooperación nuclear igualmente vago. Y, en mayo de 2008, la Embajada da cuenta de que un alto cargo sondeó a EEUU con el mismo fin y tampoco en esta vía hubo avances.
...
http://www.publico.es/internacional/369371/el-gran-negocio-de-libia

AGIL

Mensagens : 88
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DIGAMOS "NÃO" À INVASÃO DA LÍBIA

Mensagem  Esquerdolas em Seg Abr 04, 2011 7:57 pm

Libia. Internacionalismo proletário frente a apoio a bandos capitalistas


Autor do texto: Anibal


É patente que grandes companhias e potencias do capitalismo realizam proveitosos negócios junto ao capital líbio ,em especial desde as reformas operadas nesse Estado a partir de 2003.
Se dispõe de pouca informacão das consequências que tem provocado estas reformas na sociedade líbia: de um lado uma cifra de 30% de desemprego, uma presença de quase um milhão e meio de operários de outros países com salários menores e piores condições de vida que os líbios, em geral, um recorte de subvenções a produtos básicos de consumo(alimentos..),a gasolina, a moradia.., com um de cada três habitantes de Líbia em situação de pobreza, ainda que tenham sido gerados projetos para quase 200.000 moradias,"facilitando o crédito a população",projetos turísticos,etc...De outro, uma luta entre facções internas, lutas políticas e em meio a deserções militares, para apropriar de cotas superiores de benefícios e usar o Estado em seu favor ?a renda nacional?. Há mal estar entre a classe operária e divisões evidentes entre a classe dominante.
Como é frequente, dentre esta, pululan as conspirações, os contatos com potências , agências de informação e as empresas presentes em solo líbio ou candidatas a estar. Liberais, comerciantes islamicos e empreendores, antes apoiadores do "governo do povo e os Comités populares" e hoje apoiadores de manejar acordos com o Ocidente , China etc,"respeitando nosso direito"...,nostálgicos do rei anterior y da monarquia, militares com pretensões, chefes de clãs e tribos confrontados com o governo por querer uma parte maior do bolo, sobre questões fiscais, por atrair inversões até suas zonas de influência, por suas cotas de presença nos organismos estatais....Na Líbia muitas ajudas e privilégios são distribuidos de acordo com a lealdade ao Estado, favores, etc. Os laços de unidade entre chefes territorias são quebrados e o que sobraram foram aspirantes ao favoritismo.
Tambem, como é frequente, entre a classe trabalhadora se instalou o mal estar que se manifestou de múltiplas maneiras, encontrando a resposta contra-revolucionária típica: repressão direta do governo e Estado líbios, e pressão para recuperar este mal estar e enquadrar ao máximo o proletariado nas filas da oposição: carne de canhão para lutar por seus interesses burgueses específicos, com o lema da liberdade, da democracia,etc...material humano para opor militarmente a outros proletários alistados obrigatoriamente no exército líbio e aos mercenários contratados. Os proletários imigrantes têm sido amedrontados amplamente pelos dois bandos e muitos se esconderam, outros sairam do país, outros se arriscam em barcos até a Itália ou Grécia e várias centenas morreram na tentativa.
Nenhum dos bandos delineados atualmente, que evoluiram até novas expressões,merece ser apoiado.(1)
Que o capital e os governos da França, da GB, Espanha, USA conspirem, tentando ganhar uma parcela do poder geral e presencial, colocando ?novos amigos ? no comando da exploração econômica, que ataquem militarmente ao exército líbio, junto a outros bandidos, não faz com que deva ser defendido. Tal exército tem reprimido a classe trabalhadora, tem participado em guerras imperialistas, como nos anos 80 no Tchad, participou ativamente na caça e expulsão de imigrantes ilegais, de Gana,Nigéria e outras zonas, eliminando a grupos destes; tem se prestadoa lançar, e tem obtido benfícios, em campanhas exteriores de apoio a elementos tais como o RCD de Ben Alí na Tunísia, a Mubarak e seus meninos, etc,etc. De sua parte, a oposição, conglomerado de descontentes e candidatos a novos dirigentes do capital líbio, não hesitam em pedir ajuda ao ?Ocidente? quando vêm que não podem alcançar seus objetivos, dado que está em sua natureza cooperar com outras facções do capital pelo interesse de todos e pelo seu próprio. Sobram Kadafi e uns outros quantos, endinheirados e contratadores de mercenários, por que nem são indispensáveis, nem sào o melhor trunfo na reordenação social e política que se desnvolve na região. Mubarak sobrava e outros tantos se foram com ele, porém as pessoas mais importante burguesia, do Estado, sua polícia e exército.. seguem ?onde tem que estar?.
Um argumento defendido por alguns é que os opositores trariam a democracia à Líbia. Ante este argumento devem ser observadas duas coisas: Em primeiro lugar que, a democracia é algo o capital utiliza em determinadas condições para assentar sua dominação, e já vemos o que acontece quando o proletariado se manifesta e se afirma (Egito , Tunísia? os demócratas pedem que se pare às mobilzações, às reclamações operárias e quando muito deixam a via livre para recuperar as estruturas de enquadramento e de colaboração política e sindical). Em segundo lugar, que a democracia advém em função da debilidade, força ou atitudes do proletariado e do peso e atitudes que tenham as chamadas "classes médias?, todo este conjunto de elementos pequeno e meio burgueses que aspiram a partilha dos planos de ?reforma e abertura econômica?, dos projetos de industrialização, de edificação urbanística e desenvolvimento de infraestruturas, projetos de desenvolvimento comercial ?diversificado?, etc. Se o proletariado levantar sua luta contra todos, primero se desfaria de quem os realizaram, e logo se enfrentariam. A facção ou coalizão vencedora nescessitará de métodos democráticos, e até formulará uma versão "nacional" do circo democrático, recompondo as alianças da classe dominante e os acordos com o capital internacional. A democracia precisa da mansidão proletária, para favorecer aos ciclos de acumulação e expansão do capital.
Se vence o governo atual é possível que ?liberalize? o controle político o necessário para integrar as tensões e esforços criados, eliminando primeiro a um setor dos opositores, porém atraindo a outro.
Se vence a dita oposição, que é o mais provável, usarão a democracia para fazer algo semelhante, e durante um tempo evitar que as reivindicações operárias se expressem violentamente. Logo, com mais calma ?e fora das câmaras?, na linha dura característica, com direção e aprovação das multinacionais e outros santos homens que defendem a acumulação de capital.
A intrevenção atual da OTAN nesta guerra acentua as possibilidades de êxito dos opositores do Conselho Nacional Líbio. Os movimentos da facção de Kadafi , pondo ênfase nas relações comerciais com Venezuela, fomenta que os partidários das posições bolivarianas e castristas, acompanhados por gande parte da esquerda nacionalista, interpretem a guerra como uma ?cruzada imperialista contra a Líbia, pelo petróleo?. Desta forma o governo líbio deveria ser defendido, ao negar-se a ser ?uma colônia do império?.
A Líbia não é tal colônia, é mais, seu capital tem emprendido guerras de invasão, imperialistas, como a do Tchad en 1983, tem um alto grau de monopolização em sua estrutura econômica, que não é pré-capitalista, e sim amplamente capitalista, exporta capital y empreende operações financeiras em zonas de alta concentração de negócios. Assim para as potencias capitalistas dá no mesmo quem governe os destinos da Líbia e sua economia. Permitiram um respiro ao governo de Kadafi desde 93 para realizar negócios rentáveis, utilizaram e agradeceram sua capacidade repressiva de controle de emigrantes rumo à Europa, cancelaram contenciosos como o do avião derrubado? O governo de Kadafi reprimiu com mão de ferro ao ?islamismo da Al Qaeda? na Líbia, aos xiitas pró-iranianos, e vendeu esta repressão aos investidores em solo líbioe suas potências amigas, mas agora a maior parte destes preferem a outros em seu posto: e estes são a coalisão opositora. As relutancias da China e da Russia não vão fazer destas potências inimigas da intervenção da OTAN. Toleraram com sua abstenção a decisão do Conselho de Segurança que deu o pantapé de saída à uma ação militar já preparada em boa medida de antemão.
Já não era hora de fazer caso aos intentos mediadores de Fidel Castro ou do presidente venezuelano Chávez. Ainda com uma opção de acordo interna desleixada e dividida, se lançaram.
A postura revolucionária passa pela luta contra todos os bandos em todas as partes, na Líbia e fora, contra os planos de intervenção e contra as estratégias de guerra interna, contra todos os agentes da exploraçào do proletariado. A velha postura internacionalista revolucionária.


Por último, para mostrar fatos que negam a validade crítica das mistificações da esquerda política do capital sobrre a necessaria ?defesa da autodeterminaçào nacional da Líbia?, uns dados sobre o que faz com ela o capital líbio dominante:
Desde do ano de 2003, o mesmo ano em que os EEUU invadia o Iraque, o Estado líbio se fez sócio estratégico de empresas e Estados imperialistas da União Européia. Kadafi criou o fundo de investimento Libian Investmen Autority, e com 65 bilhões de dólares participa de 1% do capital da gigantesca petrolífera imperialista ENI, de 3% do grupo econômico Pearsons, editor do diário imperialista Financial Times. É o principal acionista do Unicredit, o maior banco da Itália. Isto se repete com empresas da Alemania e França(2)

E para recordar de novo o que é a democracia, agora mesmo os democratas aplaudem o viram a cabeça para outro lado quando a Arábia Saudita coloca tropas em Bahrein?.Claro sempre pode supor que os milagres existem, o que lhes pagam umas férias a seus meninos? para confraternizar com tropas especiais que guardam unidades especiais de um poder especial que nos USA se usa.
ANIBAL .
Dados para se fazer uma idéia das bases materiais deste conflito.
Estudo feito pelo ILAESE do Brasil sobre a geopolítica do petróleo.

?A Exxon descobriu o petróleo na Líbia em 1959 em Zaltán, a oeste do país. A exportações de petróleo começaram em 1961. O coronel Kadafi subiu ao poder, depois de um golpe militar contra o rei Idris I, em 1969.

Seguindo os passos de Gamal Abdel Nasser, do Egito, Kadafi pôs em prática o pan-arabismo nacionalista, expropriou e nacionalizou as empresas petrolíferas estrangeiras e desmontou bases militares britânicas e norte-americanas instaladas no país.

Por isto, a nação líbia foi alvo de sanções comerciais do imperialismo de 1986 até 2004, que produziram um efeito sofocante sobre a imensa maioria do povo e só foram eliminadas com a abertura do território líbio às multinacionais através da criação de um modelo de exploração e de produção de petróleo favoráveis aos negócios das Big Oil da Europa e dos Estados Unidos de América.

O filho de Kadafi, Saif, foi o principal articulador neoliberal da Líbia. Ele ofereceu um maior acesso ao capital, incentivos fiscais e privatização. Em concordância com um informe de abril de 2010 do governo da Líbia, o regime privatizou 110 empresas públicas estatais nos últimos dez anos. O mesmo informe promete privatizar 100% da economia da Líbia ao largo do tempo. [1]

Em 2004 a Inglaterra firmou o ?Acordo do Deserto?, que previa bilhões em contratos de exploração de petróleo no país. Em agosto de 2004 a 4ª rodada do leilão oferecia 15 áreas de exploração, com a participação de 56 empresas e o registro de 104 propostas.

No ano de 2006, os EUA removeram a Líbia de sua lista de Estados que patrocinam o terrorismo. Com isso, Kadafi abriu caminho para a exploração de petróleo líbio pelas empresas de petróleo dos EUA. Uma série de reformas para liberalizar a economia e abrir o país ao capital internacional foram realizadas, dando como resultado numerosos contratos com empresas multinacionais.

Entraram assim: Amerada Hess, Canadian Occidental, a Chevron-Texaco, a CNPC, Indian Oil Corp, Liwa (EUA), Nimr Petróleo (Arabia Saudí), OMV, Occidental, ONGC, Petrobrás (Brasil), PetroCanada, Óleo del Mar Rojo Corp (Canadá), Repsol, Shell, Verenex, Total, a Wintershall (Alemanhia), a Woodside (Australia).

A empresa estatal líbia, National Oil Corporation (NOC), tem pouco peso, apesar de estar ainda baixo o controle estrito de Kadafi, e realiza "joint ventures" com a ConocoPhillips, Marahton y Hess.

Graças a esses negócios, a Líbia tem uma balança comercial positiva de US$ 27 bilhões por ano e uma renda per capita de US$ 12 mil, seis vezes maior que a do Egito. Tem o maior IDH da África e o quarto maior PIB do continente.

Desde 2004, a Líbia registra taixas de crescimento favoráveis, com um crescimento estimado do PIB de 10,6% em 2010, com una economia totalmente dependente do petróleo que, em consonância com o FMI, representou mais de 95% dos ingressos das exportações em 2010.

O petróleo bruto y seus derivados refinados na Líbia são exportados até os países imperialistas e asiáticos. Em contrapartida, os produtos importados dos países imperialistas pelo governo de Kadafi incluem máquinas, equipamentos de transporte, alimentos y bens manufaturados, além de muitas armas.
Entretanto, apesar de ser o setor petrolífero da Líbia, de longe, o mais importante em termos de ingressos nacionais, isto não se traduz no incremento de qualidade vida da imensa maioria do povo líbio. O desemprego, por exemplo, é de 30% e chega a 40% entre os mais jóvens.

Em virtude de sua antiga influência sobre as massas, assim como pelo fato de controlar um enorme aparato de segurança, Kadafi abriu as portas a uma maior penetração econômica do país para as Big Oil.

A partir dessa situação, Kadafi se converteu em um dentre os outros agentes do imperialismo espalhados pelo mundo. O resultado tem sido graves violações dos direitos humanos, com execuções sumárias e torturas, para conter a insatisfação do povo líbio.

Geopolítica do petróleo

A partir de janeiro de 2011, as reservas de gas natural de Líbia foram estimadas em 54,7 billões de pés cúbicos. Possue as maiores reservas de petróleo de África. Cerca de 80% das reservas aprovadas estão localizadas nos sedimentos de Sirte. A bacia de Murzuq oferece uns 25% da produção e o resto provem da região da costa, perto de Trípoli.

O objetivo imediato é a construção de uma nova refinaria para processar o petróleo de Murzuq, e outra devido à extração anticipada de petróleo de Sebha. Uma refinaria em Misurata, exclusiva para exportação, com capacidade de 200 mil barris de petróleo por dia, também tem sua construção prevista.

Con isso, a produção pode chegar a 3 milhões de barris diários (mbd) para 2013. Esse é o objetivo, aumentar la exportação de petróleo até os países imperialistas. O país quase duplicou suas exportações de gas natural em três anos.

Líbia tem custos de produção baixos, petróleo de boa qualidade e campos próximos a refinarias e os mercados da Europa. O de melhor qualidade (mais leve) é vendido à Europa e Estados Unidos, ao passo que o pesado é exportado até os mercados asiáticos?..
?.Líbia exporta cerca de 1,1 milhão de barris por dia e é o terceiro produtor de petróleo da África. Responsável por 2% da producción mundial, 90% de suas exportações se dirige até os países europeos e um terço à Italia, o que explica o apoio de Berlusconi a Kadafi.

Além disso, a empresa italiana ENI, a maior operadora de petróleo na Líbia, compra gás natural da Líbia faz décadas. A BP (Inglaterra), Repsol YPF (Espanha) y Total (França) são outras que operam na Líbia.

Sustituir esta exportação pela distante Arabia Saudita exigiria mais navios, mais tempo, e mais custos?..
?..Diversas companhias de petróleo anunciram a suspensão de sus operações e a retirada dos funcionários e familiares da Líbia. A espanhola Repsol-YPF suspendeu suas operações por que as condições não eram seguras. Foi seguida pela Wintershall, subsidiaria da Basf, e da BP, que anunciaram a suspensão temporária das operações. A norueguesa Statoil, a austríaca OMV e a anglo-holandesa Shell, a francesa Total e a russa Gazprom estão seguindo o mesmo caminho, isto para nào falar dos 30 mil trabajadores chineses semi-escravos de companhias de petróleo e da construção civil.

A Eni reduziu sua produção pela metade. Com isso, a produção bruta total caiu 1,6 milhões de barris diários a 850 mil, segundo relatos dos produtores ocidentais.

A maioria dos portos de Líbia - principal plataforma de exportação - também foi fechada devido à falta de pessoal ou às interrupções da produção.

O gasoduto de gás natural no Mediterrâneo, desde a Líbia e da ilha italiana da Sicília, foi desativado, sem orientação de quando se pode voltar a bombear.

A indústria de petróleo da Líbia está num caos - e não se sabe quando este vai terminar.

A Associação Internacional de Energia (AIE) informou que as refinarias européias tem stocks somente até o fim de março. Esta situação está levando a um novo aumento do preço do barril de petróleo, que já passa dos US$ 100, e os economistas fazem a previsão de uma nova recessão, principalmente nos países não produtores, por isso o desespero do imperialismo por um desenlace rápido?.
__________________________________________________________________________


Notas
(1)Temos visto aos verdes do parlamento europeo, a ICV, ERC, apoiar à OTAN, junto aos dereitstas tipo PP, CiU, o PNV ou CC. Outros esquerdistas capitalistas tentar ? manter a forma? com o pacifismo nas ruas ou nos parlamentos (IU ou o BNG no espanhol), ainda que muitos de sua mesma mientras muchos de su misma linha apóiem ao governo líbio com tom menor (Anguita, com gesto grave de sua tribuna de oradores?), ou sem vergonha, como os castristas , bolivarianos e tendências stalinistas. CCOO e a UGT stêm se somado aos defensores da intervenção militar e à OTAN.
Outros vêm nos opositores algo defençável, por serem ?progressistas?, por representarem ?a revolução árabe contra as ditaduras?, ou argumentos de índole similar.
Na Espanha, o mesmo presidente que faz um par de meses se fotografava com Kadafi agora o compara com o diabo e apóia fervorosamente ao esforço de guerra da OTAN. As alianças se desfazem e o oportunismo reina. Berlusconi rompe amarras ..



(2).O governo de Muamar Kadafi investiu os petrodólares em empresas italianas, como a FIAT, da qual chegou a possuir 10% das ações. O maior investimento da Líbia é o UniCredit. Ao final de 2008, em plena crise financiera mundial, o Banco Central líbio comprou ações do maior banco italiano, que estava em sérios problemas. Com a ajuda do fundo soberano Libyan Investment Authority (LEIA), a Líbia tornou-se o maior acionista do UniCredit (com 7,582%), atualmente um dos maiores bancos da Europa.

Desde janeiro de 2011 o governo libio é dono de 2,01% do grupo aeronáutico e de defeza Finmeccanica, controlado pelo Estado italiano. A Líbia tem quase 0,5% da empresa de petróleo ENI. Possue 22% da empresa textil Olcese e 7,5% do clube de futebol Juventus. En junnho de 2009, uma empresa controlada pela Companhia Árabe de Investimento Extrangeiro adquiriu uma participação de 10% em Comunicações Quinta, da qual o acionista majoritário é Berlusconi. Segundo o periódico econômico Il Sole 24 Ore, o valor das ações do governo de Kadafi na Itália alcança 3,6 bilhões de euros.

Além do petróleo barato líbio, muitas empresas italianas de construção firmaram contratos para a construção de rodovias, universidades, estradas de ferro, hotéis, que tem beneficiado à Itália com uma chuva de "petrodólares".

A Italia é o maior sócio comercial da Líbia: em 2009 havia um total de 180 empresas italianas ativas na Líbia, onde vivem 1.500 italianos.

Porém não são somente os italianos que ganham muito na Líbia. Cerca de 150 empresas britânicas estabeleceram presença neste país desde que Europa suspendeu às sanções econômicas. Entre elas, os principais varejistas como Marks & Spencer, Next, Monsoon Accessorize e empresas como a AMEC (engenharia), e Biwater (tratamento de resíduos), aproveitando-se da onda de gastos em infraestrutura, com um custo estimado de 310 milhões de libras em uma década.

Na Inglaterra, quando o Partido Trabalhista estava no governo, também se converteu em um importante sócio comercial.


original em espanhol: http://inter-rev.foroactivo.com/t16-libia-internacionalismo-proletario-frente-a-apoyo-a-bandos-capitalistas

Esquerdolas

Mensagens : 27
Data de inscrição : 26/02/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Acho que nesta guerra na Líbia, a humanidade jogamo-nos muito

Mensagem  Placido em Seg Maio 09, 2011 12:07 pm

Olá gente.

Acho que nesta guerra na Líbia, a humanidade jogamo-nos muito. Por isso deixo-vos aqui várias hiperligações sobre o tema.

O primeiro é um blogue Leonor Massanet, psicóloga maiorquina relacionada com Líbia. Oferece informação diária, tendo como fontes pessoas do interior do país.
http://leonorenlibia.blogspot.com/

Um resumo do que leva escrito acha-se neste artigo do galiciaconfidencial:
http://www.galiciaconfidencial.com/nova/7769.html

Outra boa fonte de informação é a dos correspondentes de TeleSur. Actualmente é Rolando
Segura:
http://multimedia.telesurtv.net/noticias/corresponsales/rolando-segura/

http://twitter.com/#!/rolandotelesur

Uma possível explicação de por que a linha informativa do grupo Mediapro-Lasexta-Público não difere em nada de toda a mídia industrial ocidental:
http://www.sateliteinfos.com/actu/tp.asp/tp/20435/entrara-al-jazeera-en-el-capital-de-mediapro.html

http://dizdira.blogspot.com/2011/04/publico-contra-su-publico.html

Achei muito reconfortante o facto que ao menos no parlamento espanhol, BNG e IU duvidando das bondades humanitárias e pró-revolucionárias da NATO, se opuseram à intervenção aí do exército pago com os nossos impostos. Lembrou-me que na primeira guerra mundial quase a totalidade dos arcos parlamentários alemão e inglês votaram pela guerra. Por uns instantes Jorquera e Llamazares como Rosa Luxemburgo.


Placido

Mensagens : 2
Data de inscrição : 10/04/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Libia - Crónica de un fracaso anunciado de la coaliciºon y los insurgentes

Mensagem  Placido em Qua Maio 11, 2011 10:34 am

Analise publicada ontem en http://www.legrandsoir.info/ traduzida aquí para castelhano:

http://www.kaosenlared.net/noticia/libia-cronica-fracaso-anunciado-coalision-insurgentes

Oxalá não esteja de novo a confundir desejos com realidade.

Placido

Mensagens : 2
Data de inscrição : 10/04/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DIGAMOS "NÃO" À INVASÃO DA LÍBIA

Mensagem  Esquerdolas em Qui Maio 12, 2011 2:52 pm

a telesur não merece confiança, já mostrou que manipula a informação devido à aliança da venezuela com o regime líbio. regime esse que não me merece mais apoio que a facção invasora.

Esquerdolas

Mensagens : 27
Data de inscrição : 26/02/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DIGAMOS "NÃO" À INVASÃO DA LÍBIA

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum