O Português como língua estrangeira

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O Português como língua estrangeira

Mensagem  Nambuangongo em Qui Mar 03, 2011 1:06 pm

O PP oponse a ofertar o portugués como segunda lingua estranxeira por considerar que é unha proposta con "complexo ideolóxico"

A deputada do BNG Carme Adán lamenta a “pouca visión de futuro” do PP perante a posibilidade de “poder relacionarnos cunha poboación potencial de máis de 200 millóns de persoas”


Santiago de Compostela, 2 Marzo 11.- Os votos do PP impediron hoxe sacar adiante unha proposición non de lei do BNG que pretendía instar á Xunta a ofertar o idioma portugués como segunda lingua estranxeira en todos os centros públicos de Galiza que impartan secundaria e dotalos do profesorado necesario para impartir esas aulas.

Carme Adán defendeu esta iniciativa na Comisión de Educación do Parlamento para dar voz coa mesma ás reivindicacións da Asociación de Docentes de Portugués e porque é unha proposta que “suma”, pois este idioma capacita aos galegos a relacionarse cunha poboación potencial de máis de 200 millóns de persoas.

Neste sentido, a deputada advertiu que obviar a potencialidade de poder desenvolverse nun idioma como o portugués, cando Brasil se está situando entra as primeiras potencias económicas do mundo, sería ter moi pouca “visión de futuro”.

Asemade, a aprendizaxe desta segunda lingua tería ventaxas tamén á hora de valorar o galego e de dar visibilidade e competitividade á sociedade galega internacionalmente, aumentando a súa capacidade de comunicación efectiva e significativa cun gran número de países e falantes do mundo.

A parlamentar explicou que a evolución de alumnos estudando portugués actualmente vai en aumento, cando menos nos dous últimos anos académicos “por iso cómpre actuar en consecuencia e poder responder con calidade e eficacia ás novas esixencias educativas”.

Para Carme Adán, o feito de que, non obstante, en Extremadura o alumnano que realiza estudos en portugués sexa dez veces superior ao de Galiza indica o grao de “deixadez” por parte das autoridades educativas galegas á hora de incentivalo.

A deputada amosouse aberta a transacionar o seu texto co Partido Popular mais este grupo finalmente se mantivo no seu voto en contra baixo o argumento de que era unha iniciativa con “complexo ideolóxico”, “corporativista” e “tramposa”.

http://www.bng-galiza.org/opencms/opencms/BNG/parlamentogalego/contidos/novas/novas/nova_2750.html
avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Nãõ se passsa nada

Mensagem  Gascon em Qui Mar 03, 2011 3:09 pm

Nom se pasa nada nambu, hom, que coas aulas do Pedrito el Lusista (em gayego de briones aportuguesao) está todo controlao. Leh bamoh a dar ai donde mah leh duele!

avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Português como língua estrangeira

Mensagem  cdurão em Qui Mar 03, 2011 11:47 pm

Pois é, Nambu: estamos na era post-orwelliana, onde o People’s Party (!) é “demócrata de toda la vida”, e os nacionalistas são os outros;

mas numa cousa certaram bem: identificaram a transnacional língua portuguesa como o fator mais perigoso, que pode esborralhar os seus planos de nacionalistas espanhóis na Galiza;

eles sim estão convencidos de a língua ser a mesma a N e S da raia: se assim não fosse, por que esbanjar dinheiros em isolá-la?

cdurão

Mensagens : 302
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Português como língua estrangeira

Mensagem  cdurão em Qui Mar 03, 2011 11:55 pm

Talvez venha a conto isto: http://www.galiciaconfidencial.com/nova/7311.html

e que tal isto?: "Coa proximidade do galego ao portugués temos moito andado. Non é pecado pedir a nosa incorporación a Comunidade de Países Lusófonos o que nos abriría enormes posibilidades comerciais e turísticas. É un tesouro que non se quere aproveitar porque non se sabe nin se quere vender a nosa lingua"

cdurão

Mensagens : 302
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Português como língua estrangeira

Mensagem  cdurão em Sex Mar 04, 2011 1:16 am

Item: Manuel Casás Fernández (presidente da RAG entre 1942 e 1960): "Y nosotros debemos también proclamar un único nacionalismo: el español y una patria común: España" (em: «España y Portugal. Un acto ideal y el equívoco peligroso», La Voz de Galicia, 4 set. 1921)

cdurão

Mensagens : 302
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Português como língua estrangeira

Mensagem  Isabel em Sex Mar 04, 2011 2:05 pm

cdurão escreveu:eles sim estão convencidos de a língua ser a mesma a N e S da raia: se assim não fosse, por que esbanjar dinheiros em isolá-la?


Pois é!
avatar
Isabel

Mensagens : 276
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Vídeos do parlamentinho

Mensagem  Nambuangongo em Ter Mar 08, 2011 2:31 pm

Vídeos do acontecido no parlamentinho:

17:45 Duração: 00:09:25 María do Carme Adán Villamarín (BNG)
http://www.parlamentodegalicia.es/buscaVideos/asx.aspx?wmv=0000007334-002-100kb.wmv&timecode=01:17:28&duration=00:09:25

17:54 Duração: 00:02:48 Guillermo Antonio Meijón Couselo (PSOE)
http://www.parlamentodegalicia.es/buscaVideos/asx.aspx?wmv=0000007334-002-100kb.wmv&timecode=01:26:53&duration=00:02:48

17:57 Duração: 00:07:43 Román Rodríguez González (PP)
http://www.parlamentodegalicia.es/buscaVideos/asx.aspx?wmv=0000007334-002-100kb.wmv&timecode=01:29:42&duration=00:07:43




«Se ve que manten un certo complexo ideológico»

«Tamén é certamente bastante corporativista»

«...Vamos a darlle voz a um colectivo que... para que se escoite... blablabla»

«Os prantexamentos políticos de alguns partidos e algunhas asociazós son camiños que se cruzan, e a veces é dificil ver onde acaba un e comeza o outro»

«Nós entendemos que o galego [lapsus linguae]... o portugués é unha lingua irmá, o temos clarísimo, calquer galego se pon en Portugal e non ten ningún tipo de problema convivir, ler, relacionarse, etcetera, etcetera, etcetera»

«O presidente Feikhó o ten afirmao, nos meios de comunicación, e non fai moito o señor conselleiro pois tivo unha reunión co Instituto Camõens para poñer en marcha iniciativas e estratexias orientadas a potenciar o galego [outro lapsus linguae] no que é... perdón, o portugués... no que é o ensino»

«Certamente tamén existe xa ensino en portugués en Galicia, temos as Escolas Oficiais de Idiomas, donde hai perto de 1000 persoas, e temos certas seciós bilíngues»

«[A emergência do Brasil] tampouco nos parece un argumento moi sólido, non?... hai muitas emerxencias de países no mundo, non?... Por regra de 3 tamém podiamos poñer o chinés como ben dixo o señor Meikhón... ou o indú!! ou o indú!! ao mellor nos era mellor o indú!!!, pero bueno...»

«Nós temos un proxecto político... e no noso proxecto político hai claramente unha aposta pola potenciación das linguas estranxeiras [o castelhano?], claramente... e unha convivencia, por certo, unha convivencia, un equilibrio entre as linguas oficiales, e para eso fixemos un plan!! non un suposto plan como dice a señora Adán»

«A aposta polas línguas estranxeiras [o castelhano e o inglês?] é a maior que hubo nunca»

«Hai unha prioridade que non se lle nega a ninguén, que é o aprendizaxe en inglés, entendendo que esta prioridade vai facilitar que os galegos e as galegas, os estudantes e as estudantas [:-)] teñan o manexo da principal farramenta de comunicación que queirámolo ou non existe neste mundo»

«Lle dicíamos que non era posible asumila, asumir dun xeito direzto o que vostedes prantexan [...] primeiro porque non esisten os recursos neste momento, segundo porque nos parece restrinxir a oferta educativa a un só idioma que por certo nos é mui próximo,...por que non ao chinés?....a señora Adán dicia, pois claro, Brasil habia mellorado moito coas políticas de esquerdas, china tamén aplica políticas de esquerdas!!!...non? É un país de esquerdas, ou non é un país de esquerdas? hehehe... entonces buéno»

«Se usté fala de visión de futuro, hehehe, home!, pois moita direi que non debe ser, non? psss, home, é un país... mais ben... certamete [chamada de atenção da presidenta a continuar]...no, non dialogamos, é unha brincadeira de... pero bueno.»

«En todo caso, por que non o francés? (risos) por que non o alemán? (risos) por que non o hindú, porque non?»

«Decíamos o da deriva... decíamos o do complexo ideolóxico, e eu creio que aqui hai unha deriva importante... é unha eiva do nacionalismo»

«O nacionalismo galego sempre se sinteu, ou polo menos unha parte, mais cerca, mais cerca.... [longo silêncio com sorriso de orelha a orelha]... sempre se sinteu mais cerca de Portugal que de España.»

«É unha vella teima...incluso como brincadeira en ocasiós, cuando hai un partido de fúbol, pois a moitos destacados militantes do bloque pois dician, no! queremos que gane Portugal. É unha pura anéctota, non?... pero sin embargo, pss, eu creo que eso é unha especie, unha especie de locura...hehehe...histórica»

«Por certo eu teria moi mal, porque Portugal é un país tremendamente centralista, mui centralista onde ustedes estarían pois mui mal posicionados»

«Xa para rematar, o que está claro é que por parte desta Xunta... de GaliCIA... hai unha aposta polo plurilinguismo moi clara, unha prioridade que é o ingrés, que entendemos que nesta iniciativa... no bloque hai un certo corporativismo... somos conscientes de que xa existe unha boa base de ensino de portugués, ... e unha cousa é priorizar, potenciar o portugués, e outra dicir que TODOS os centros educativos poñan como segunda língua o portugués, home! hai muitos centros que dan francés, ou alemán... se usté entende que dar francés ou aleman ou outra língua cualquera non é importante pois realmente eso é unha visión pois moi cativa do que é a sociedade atual [espanholizada?]»

«En todo caso é unha lástima que esto non o fixeran cuando ustedes gobernaron, porque ahí si que tuveron oportunidade de facelo claramente , psss, e hai que lamentar que non o fixeran!»





Bem, interessante intervenção do PP. Que coletivos são esses aos que o BNG tenta dar voz? Quais são as «asociazós» que se cruzam com os partidos? Quais são as «certas seciós blilíngues? Que tem a ver a segunda língua no ensino com o futebol? Qual é a «locura histórica»?

Acordará alguém no BNG? Voltarão a «ter oportunidade»?





Última edição por Nambuangongo em Ter Mar 08, 2011 3:50 pm, editado 2 vez(es) (Razão : Por algum erro não foi publicada a mensagem completa, reedito com todos os vídeos e a trascrição da intervenção do PP, a mais interessante.)
avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

"Argumentar" desqualificando...

Mensagem  Pedro Bravo em Ter Mar 08, 2011 3:39 pm

No vídeo só sai a intervenção da representante do BNG, Carme Adán, e eu queria escutar a resposta completa do PP.
A deputada amosouse aberta a transacionar o seu texto co Partido Popular mais este grupo finalmente se mantivo no seu voto en contra baixo o argumento de que era unha iniciativa con “complexo ideolóxico”, “corporativista” e “tramposa”.
Essa forma de "argumentar" com termos desqualificativos disparatados, que falam mais de quem os proferem... não sei a quem me lembram. Alguém fez escola aqui. Como escrevi no PGL comentando a notícia: "ou seja, pretenderam esconjurar seu medo às próprias possibilidades. As facilidades temerárias para embutir o inglês nas escolas se torna melindrosa suspicácia para o português. E por que será se não é impotente prepotência? Talvez prepotente impotência?"

avatar
Pedro Bravo

Mensagens : 140
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

"Brincadeira"

Mensagem  Pedro Bravo em Ter Mar 08, 2011 6:04 pm

1) Tá bem isso de rejeitar uma proposta pelas supostas avessas "intenções" subjectivas. Achava que os juízos de intenções são mostra de arbitrariedade e má educação, ou franca hostilidade. Bom: "torcer" por Portugal é mostra inequívoca de traição à Pátria. Vê-se que algo positivo para o país deixa de sê-lo se (também) favorece a posição nacionalista. Ou: todo o que favorece a posição nacionalista é mau para o país. Não me associo contigo para ganhar dinheiro porque tu te associas comigo para ganhar dinheiro...
2) Bom, também não têm por que ser "todos" duma "atacada" (ou acometida). Além disso, sempre se pode recorrer à livre escolha: que decidam os Centros (professores, pais, etc.).
3) Pelos vistos, a demanda, e disposição favorável, da sociedade civil é um factor contrário para a bondade duma proposta.
4) Claro que está na "agenda política" do PP: no apartado sine die, ou ad calendas graecas, ou vade retro...
5) Os argumentos em prol da proposta são rejeitados em bloco porque um deles (a relevância económica do Brasil) também serviria para outras línguas. A proximidade cultural e histórica, a facilidade, a demanda social, a disposição colaboradora dos colectivos concernidos (professores, sindicatos), os compromissos assumidos, a pertença à Comunidade Europeia (com todo o que isso implica: planos de estudos comuns, etc.), etc., etc., são obviados porque a China ou a Índia também estão experimentando um considerável crescimento económico! O senhor esqueceu que o português também é uma ajuda para entrar nesses países graças aos tradicionais vínculos históricos com Portugal (Macau, Goa, etc.).
6) Gostaria de conhecer pelo miúdo esse Plano Galego de Potenciação das Línguas Estrangeiras. Penso que a presença do inglês está sobredimensionada: demasiado esforço para tão cativos resultados (mas isto é tema doutro fio). Frente a tão lamentável situação, o certo é que se poderia começar para já a dar aulas dalgumas matérias em português. Recursos não faltam. Se alguém acha que será um português (falado) defeituoso... que se poderia dizer do inglês!!! E do "galego" do parlamentar do PP?
7) Só numa coisa tem razão (para criticar, não para deixar de fazer): que o nacionalismo sim está (ou estivo) complexado (mais bem amedrontado) com a questão do português, e não se atreveu a fazer no momento que pôde o que sabia que tinha que fazer.

avatar
Pedro Bravo

Mensagens : 140
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Português como língua estrangeira

Mensagem  cdurão em Ter Mar 08, 2011 11:19 pm


o melhor são os lapsus, é o que digo eu: eles sim estão convencidos de ser a mesma língua, por isso não precisa de se ensinar (“un só idioma que por certo nos é mui próximo”);

quanto ao inglês... já quisera eu ouvir esses deputadinhos a fazer os seus “pinitos” na língua do Império (e vão precisar, agora que se estão a ençoufar na Líbia [além do árabe, o bereber, o tuaregue...])

cdurão

Mensagens : 302
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

QUEM É QUEM: Román Rodríguez González

Mensagem  Pedro Bravo em Qua Mar 09, 2011 5:20 am

Román Rodríguez González

Categoría: Profesor e político
Data de Nacemento: 16 de novembro de 1968

Currículum:
Licenciado en Xeografía e Historia (Xeografía Aplicada), pola Universidade de Santiago de Compostela. Profesor de universidade.
Master en Desenvolvemento Local, outorgado polo IDEGA (Instituto de Estudios e Desenvolvemento de Galicia) da Universidade de Santiago.
Doutor en Xeografía.
Na actualidade é deputado no Parlamento de Galicia polo Partido Popular.
Bastante mais novo do que eu: seguro que recebeu aulas de galego no bacharelato.
Em destaque a ascensão em sabedoria. Seria bom conhecer seu expediente de bacharelato...
Comentário frívolo: seica os escorpião dessa safra saíram sem virtude; pelo obtuso de seus "argumentos", digo.
ROMÁN RODRÍGUEZ GONZÁLEZ
Prof. Titular de Análisis Geográfico Regional
ROMÁN RODRÍGUEZ GONZÁLEZ Prof. Titular de Análisis Geográfico Regional
Teléfono: [...], ext. 12607. Fax: [...]. Correo electrónico: [...]

Román Rodríguez González (Lalín, 1968), profesor de la Universidad de Santiago de Compostela, es Doctor en Geografía desde 1996 por la misma Universidad, donde se licenció en 1991 con Premio Extraordinario, y Master de Desarrollo Local.

Ha trabajado desde 1994 como Gerente de Desarrollo vinculado al Plan de Desarrollo Comarcal de la Xunta de Galicia, compaginando esta actividad con la de profesor en la Facultad de Humanidades de Lugo. Para pasar posteriormente a la Universidad de León, donde llevó a cabo su labor docente en el curso 1996-1997.

Líneas de investigación:

Su hacer investigador se ha centrado en el análisis de los procesos de urbanización y desarrollo de las pequeñas ciudades y en la ordenación del territorio. Ha participado como investigador en proyectos de temática regional vinculado al Instituto de Estudios y Desarrollo de Galicia.

En la actualidad se preocupa de analizar desde una perspectiva sociocultural la incidencia de la planificación urbanísticaen los modelos de construcción y utilización del espacio por parte de los colectivos humanos. Realizando también diferentes análisis sobre la situación y las perspectivas futuras de las áreas rurales de Galicia.
De Lalim: seguro que nos vimos nas festas (até o ano 78). Falaria galego ou já seria uma das crianças submetidas à imersão linguística? Estaria complexado pelo seu sotaque?
Vemos que não perdeu o tempo: três anos depois de licenciar-se já trabalhava para a Administração e dava aulas na universidade. Supõe-se que nos anos que decorreram até a recente e brilhantíssima intervenção no "parlamentinho" (agora entendo o diminutivo) aprimoraria a sua formação. A este passo vai-lhe tirar o posto ao Louzán.
LIVROS DESTACADOS

Livros destacados de RRG

A ESTRADA: XENTE E PAISAXE, EDICIONS FERVENZA , 2003
ESPACIOS Y DESARROLLOS RURALES: UNA VISION MULTIPLE DESDE EUROPA Y LATINOAMERICA, S.L. EDICIONES TREA , 2004
TERRITORIO ORDENAR PARA COMPETIR, NETBIBLO , 2010
Na sua "Galicia" compete-se em incompetência: a ordenação galega do território só pode competir em disparates com a distribuição de cargos (académicos, técnicos e políticos).

avatar
Pedro Bravo

Mensagens : 140
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Português como língua estrangeira

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum