"Reintegracinismo"?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

"Reintegracinismo"?

Mensagem  cdurão em Seg Fev 28, 2011 8:27 am

Em: http://www.xornal.com/artigo/2011/02/27/cultura/duas-novas-obras-furan-na-figura-calero-seu-centenario/2011022720445002829.html

“A editorial Laiovento vén de publicar dous ensaios ben diferentes ao redor da figura de Ricardo Carvalho Calero despois da celebración do seu centenario. O primeiro deles titúlase Ricardo Carvalho Calero: a ciencia ao servizo da nación, da profesora da Universidade da Coruña e colaboradora de Xornal Pilar García Negro. O segundo leva por nome Elucidacións na Sombra, do escritor Manuel Castelao, quen se mergulla na análise da vertente teatral do intelectual nacido en Ferrol en 1910.”

“No libro da colaboradora de Xornal reúnense un total de 48 textos de Calero que van precedidos por un resumo elaborado pola autora. Ademais, inclúese no apéndice unha iniciativa parlamentaria do BNG do ano 1997 –sendo presidente da Cámara o falecido Víctorino Núñez, que fora conselleiro de Xornal– pola cal tivo lugar a adquisición da biblioteca do intelectual galego, que agora está na sede parlamentaria. Ademais reúnese outra acción parlamentaria, neste caso unha pregunta de Bieito Lobeira e Ana Pontón sobre o investigador ferrolán. “Vinte anos despois da súa morte, esas foron as únicas iniciativas”, lembra García Negro.”

Mas García Negro tem de saber que não é verdade isso que ela diz: a obra de Carvalho sim continuou a ser editada pelo reintegracionismo, dedicou-se-lhe o Ano Carvalho Calero, foi-lhe inaugurada uma estátua na Alameda de Compostela... como entender então essas palavras suas? como colaboração com o seu enterramento pelo Estado Espanhol (como repetidamente se intenta com Castelão?);

e o que é isso de “a figura”? “o intelectual”? “o investigador”? “o autor”? então o que acontece com esses “artigos da última década da súa vida que parecen escritos hoxe”? será, como diz Manuel Castelao, que: “no que si estamos de acordo todos é que está silenciada a súa obra. Mandouse ao silencio, foi para fóra como se non existise”?

ou será que haverá que trocar o título deste tópico, “Reintegracionismo”, e tirar-lhe o primeiro “o”?

cdurão

Mensagens : 302
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Reintegracinismo"?

Mensagem  Isabel em Seg Fev 28, 2011 10:49 am


Foda-se... Não sabem o que hão de fazer para tapar a presença reintegracionista...

Coitad@s, e também não sabem o que vem...! What a Face
avatar
Isabel

Mensagens : 276
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Muito rebuscado para não ver o Carvalho

Mensagem  Pedro Bravo em Qua Mar 02, 2011 12:45 pm

Pelo teimado modo de titular, "Dúas novas obras furan na figura de Calero tras o seu centenario", não posso dizer que o Carvalho não lhes deixa ver o bosque, mas sim que seu matagal não lhes deixa ver o Carvalho. E não lhes doerá o pescoço por tanta impostura?
avatar
Pedro Bravo

Mensagens : 140
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Reintegracinismo"?

Mensagem  Isabel em Qua Mar 02, 2011 2:25 pm


Com efeito, cobrem os seus olhos e o mundo desaparece, ta-chám!

Mas cada vez conseguem menos que outros cobram os olhos, e muito menos que desapareçam...
avatar
Isabel

Mensagens : 276
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Reintegracinismo"?

Mensagem  Nambuangongo em Qua Mar 02, 2011 3:11 pm

21-08-2010 by Pili Garcia Negro


Carvalho Calero, onte e hoxe


A falta de encaixe na oficialidade deste intelectual e patriota non é por “reintegracionista” ou “lusista”. Esta é a tona dunha posición inadmisíbel para o piñeirismo-postpiñeirismo


Lin, co interese máximo que me suscita todo o relativo a D. Ricardo Carvalho Calero, os artigos dos compañeiros Manuel Foxo e mais Manuel Rei Romeu a respeito do noso ilustre compatriota. Igualmente, o artigo de El Progreso en que Marica Campo bota en falta un máis que merecido Día das Letras para o ilustre profesor e escritor. Houbo, non se me escapa, outros pronunciamentos no mesmo sentido e coa mesma intención. Penso, se os autores-as mo permitiren, que todos eles se afilian a unha común vontade: a de recordarmos que procedemos dunha historia intelectual excelsa, que contou con elementos tan valiosos como o que resultou do traballo pioneiro e competente dun xovencísimo Ricardo, que, nada máis se incorporar, con dezaseis anos, aos estudos universitarios en Compostela, adhérese afervorado ao nacionalismo galego e a el dedica todos os seus esforzos académicos e políticos. Non vou, nen aquí nen agora, trazar nen sequer esquematicamente a silueta do que considero a maior personalidade galega, como polígrafo, do século XX. Tempo haberá. Simplesmente vou pór en valor a dedicación de moitos anos -de toda a vida- á CONSTRUCIÓN DA HISTORIA DA GALIZA. Si, nen máis nen menos. A través dun dos seus signos principais: a literatura, cun compromiso, rigor e erudición até agora non igualados.

E é aquí, aí, onde discrepo -levemente- dalgún dos comentaristas citados. Na derradeira década da súa vida (1980-1990), que coincide co inicio da súa xubilación como Catedrático de Lingua e Literatura Galegas da Universidade de Santiago de Compostela, Ricardo Carvalho Calero non foi remiso, en absoluto, ás intervencións públicas. Máis ben, todo o contrario. Son da opinión -e falo con coñecemento de causa- de que foi nesta década cando el se reencontrou con el proprio, isto é, co xoven nacionalista que, entusiasticamente, secundou os afáns dun Castelao, dun Otero Pedraio... e de tantos máis, naquel esperanzador canto fanado quinquenio do 1931-1936, frustrado para el e para tantos máis co desenlace da guerra civil española. Nesa década, non se negou nunca a cantas peticións lle fixemos para contarmos co seu prestixio e coa súa voz autorizada, desde a Asociación Socio_Pedagóxica Galega, a Asociación de Escritores en Lingua Galega, a Mesa pola Normalización Lingüística (cuxa fundación el selou, coa conferencia final, en Abril de 1986), a Agrupación Cultural da Coruña "Alexandre Bóveda", a Asociación "Medulio", de Ferrol, que lle dedicou un caderno monográfico, a Asociación "O Facho", da Coruña a Associaçom Galega da Língua, o Instituto "Eusebio da Guarda", da Coruña... Desde logo, sempre arredor, e con todo o calor, do nacionalismo político, sindical, asociativo e cultural.

A derradeira vez que con el falei, por teléfono, foi para o felicitar polo nomeamento como "Fillo Predilecto" de Ferrol, por moito que o acto de o facer efectivo (con Paloma Lago de compañeira de galardón!) non respondese á dignidade esperada. El, por súa volta (6 de Xaneiro de 1990) felicitoume efusivamente pola consecución, por vez primeira, de Grupo Parlamentar por parte do Bloque Nacionalista Galego, no Parlamento Galego, e por eu, súa antiga alumna e discípula, formar parte del. Poucas semanas despois (25 de Marzo), falecía en Compostela. Non se me vai do recordo o que a súa muller, María Ignacia Ramos, me contou. Na estadía hospitalar, para o animar, ela referíalle os nomes dos amigos ou coñecidos que chamaran para se interesar polo seu estado de saúde. El retrucáballe: "-Ti recítasme os que chamaron e eu pergúntoche polos que non chamaron". Ben sabía que para todos os encaixados, asimilados, traidores, advenedizos... el era figura sobrante, incómoda, recordación viva do nacionalismo de pre-guerra sepultado ou negado. Non así para nós, seus discípulos e descendentes.

Portanto, amigo Rei Romeu, o nome e a persoa de Carvalho Calero non pasaron inadvertidos en absoluto para as e os nacionalistas do BNG na década 1980-1990, por non falarmos das atencións debidas ao seu legado, xa postumamente. Aproveito igualmente para dicer, ben claro, e en adianto de futuras aproximacións, que a falta de encaixe na oficialidade deste intelectual e patriota non é por "reintegracionista" ou "lusista". Esta é a tona dunha posición inadmisíbel para o piñeirismo-postpiñeirismo reinante no "holding" -como D. Ricardo o denominaba- ou consorcio cultural dominante, que xustamente vivía -e vive- de "vaporizar" a historia da Galiza con soberanía estética e política de seu, isto é, o nacionalismo de pre-guerra, de que Carvalho Calero endexamais desertou, como si o fixeron e demostraron os acaparadores do galeguismo de dublé, que, chegada a hora da verdade, serviron a consolidación do que politicamente importaba: un partido español, o PSOE, chamado a facer a política-verité, porque o universo galego bastante tiña con se ocupar da súa (elitista) produción cultural e mais de impedir que medrase calquer revival do nacionalismo de pre-guerra.

En fin, todo o que acabo de referir non ten máis motivación que a seguinte. Láiome do fragmentada que nós, nacionalistas galegos, temos a nosa propria historia: nen sequer sabemos o que nós fixemos, na historia contemporánea. Segundamente, como diría o noso añorado Manuel María: moito ben nos iría se pudésemos imitar -aínda que minimamente- o labor patriótico e intelectual de antepasados nosos como o que aquí homenaxeamos. Ora, para o ben facer, teríamos que lle dar a importancia debida a lermos (o que os nosos antepasados escreberon), a sabermos que eles-elas xa tiveron de resolver dúbidas que hoxe a nós nos asaltan, a informármonos, en fin, algo sobre a nosa historia e sobre todo o valor que encerra. Para este cometido, RICARDO CARVALHO CALERO segue a ser, efectivamente, un auténtico tesouro.

http://www.terraetempo.com/artigo.php?artigo=762&seccion=5


Os tesouros devem estar bem guardados, em câmaras couraçadas baixo o sub-solo. E pertencem só aos seus guardiães, os únicos e verdadeiros discípulos daquilo que encerram oculto...

Este país está morto graças aos enterradores (de tesouros, de mortos ou de vivos). Os «galeguistas» de hoje nada criam, só enterram velhos criativos. E como tal, têm uma desmesurada obsessão com serem enterrados no Panteão dos Galegos Ilustres e receberem boas homenagens post-mortem, como eles fizeram. Esses «discípulos» são as ânimas em pena da Santa Companha, nem mortos nem vivos, a deambular sem rumo polos caminhos.

Para eles não há futuro, nem filhos. Só se preocupam por deixarem arranjado o seu próprio enterro, com epitáfio de pessoa ilustre.
avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Reintegracinismo"?

Mensagem  cdurão em Qua Mar 02, 2011 10:53 pm

García Negro é experta em fazer o parafuso (rizar el rizo...): 1o parágrafo: o “xovencísimo Ricardo... afervorado ao nacionalismo galego”; 2o para.: “Na derradeira década da súa vida... cando el se reencontrou con el proprio, isto é, co xoven nacionalista”; ou seja que (4o para.) “non é por "reintegracionista" ou "lusista"”: qed.

Isso é o que diz; o que não diz (e são 5 chorudos parágrafos) é o que ele dizia, e bem clarinho:

“os dialectos do galego estam fora de Galiza” (“Nom estamos sós”, em “Problemas da língua galega”, Sá da Costa Editora, Lisboa, 1981, p. 79);

“Todos os dialectos podem combinar-se ao escrever em galego” (“A dialectalizaçom do galego”, em Da fala e da escrita, Galiza editora, Ourense, 1983 (1981), p. 25);

“As línguas são sempre uma coordenação de falas. Dentro do português há variantes dialectais e crioulos mui importantes. O espanhol abrange muitíssimas falas. O galego tem o seu posto dentro do sistema galego-português. Fora dele não é rendível.
Os meios adequados para alcançar o fim constituem um problema privativo dos galegos. Mas o fim está claro: consiste na reintegração da norma galega dentro do sistema natural a que pertence historicamente, e do qual representa uma parte do tronco comum.
Esta política linguística é a propugnada por Castelão quando exprime o seu desejo de que o galego se aproxime ao português até confundir-se com ele. Entendemos: até reintegrar-se no seu sistema natural, até confluir com o português no seio desse sistema, sem prejuízo de manter a sua própria norma, como é o caso do brasileiro. [...]
A reticência oficial à aceitação de princípios tão singelos não pode provir mais que do temor a uma diminuição da hegemonia do castelhano em Galiza, ou a uma eliminação do mesmo.”
(“Sobre a situação do galego”, em diário La Región, 27 agosto 1986, p. 20, publicado antes no no 4 da revista do ICALP, março 1986)

Saudinha!

Carlos

cdurão

Mensagens : 302
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Reintegracinismo"?

Mensagem  cdurão em Sab Mar 05, 2011 7:41 am

Cabe bem sob esta epígrafe de “reintegracinismo” um par de reflexões sobre a involução de setores do “reintegracionismo” (aqui, por caridade, com “o”) que, depois de aceitarem de má vontade o AO (e afinal para que?), agora desdão corda ao relógio e acomodam-se em velhas posições do (aqui sim) “reintegracinismo”: sem o dizer abertamente, estão a reciclar velhos textos seus ainda teimando na impossibilidade do til, na suposta incompatibilidade estrutural do verbo (lembro que, num seu/nosso Congresso, Coseriu demonstoru elegantemente ser o mesmo...), e assim por diante, mas ignorando (postos a “resgatar” anteriores textos digitais) alguns que advogavam pelo “sesseio” (ausência de θ) como normal e a palatalização (presença de ʒ) como teito para a nossa norma ortoépica;

(tudo isso sem entrar no posicionamento explícito dessas pessoas a respeito de integrar ou não formalmente as falas galegas na lusofonia: pelo menos implicitamente é contrário)

cdurão

Mensagens : 302
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Reintegracinismo"?

Mensagem  Isabel em Dom Mar 06, 2011 10:46 am


Involução, exatamente. Quanta razão tens e que afortunado foi o invento.
avatar
Isabel

Mensagens : 276
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Reintegracinismo"?

Mensagem  cdurão em Seg Mar 07, 2011 11:44 pm

e aqui: http://www.radiofusion.eu/manager.php?p=FichaNova&ID=9669

“É sorprendente e ata delirante que a súa obra non sexa moeda común na universidade, pero debe ser o a utor máis lido e menos citado, máis plaxiado e ocultado” indica a filóloga salientando que “o pecado de Don Ricardo foi ser fidel á súa terra e aos postulados do primeiro nacionalismo galego”.

pois aplica-te o conto, Pilar: por que não fazes o que ele fazia? por que não escreves como ele? ou é que não o admiras tanto?

cdurão

Mensagens : 302
Data de inscrição : 26/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Reintegracinismo"?

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum