A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  Gascon em Qua Fev 16, 2011 7:06 am

Abro este fio para explicar a futilidade e falacidade da ideologia fundamentalista galego-lusista. E fazo-o aquí, num foro de vós, coa intençóm de que fique explicada para o presente, e para o futuro, a inanidade da vosa argalhada, e nom poidades vos refugiar mais umha vez em teorias conspirativas e vitimismos simplorios. Sei que este foro é apenas o reduto dum número reduzido de fundamentalistas lusistas, mas agora que o foro do PGL foi encerrado, é seica o único.

Vou comezar por definir (moi brevemente) a vosa ideologia, ou por extensóm, vós proprios: O fundamentalismo lusista é umha ideologia culturalista que sostém a existencia da naçóm galega em base á existencia da lingua galega, a qual é apenas posível enquanto lingua portuguesa. Dentro desta ideologia eu enxergo duas posiçóns distintas, xurdidas ao redor do debate normativo. Por um lado ha quem acredita na conveniencia de criardes umha norma galega propria, mais ou menos diferenciada da portuguesa europeia ou da brasileira, sem iso significar que o galego deixe de ser portugués. Por outro lado, ha entre vós quem acredita que a norma portuguesa existente (for a europeia ou for umha “universal“) é a única posivel para o galego, mesmo que se fixerem quaisquer “concesóns“ dialectais. Mas no fundo, todos estades dacordo no primeiro principio da vosa ideologia: o galego é portugués.

Agora vou nomear algúns de vós, polo que conhezo das minha leituras internéticas (e participaçóns em debates). Misturo alcumes da rede e persoas, estudosos e académicos, ativistas e simples comentaristas, porque eu falo do meu observatorio proprio, do qual apenas albisco nomes e escritos circunstanciais, mais do que persoeiros ou profisionais e obras.

Albisco os que marcam a ortodoxia normativa, que eu chamaria de fundamentalistas lusólatras, e que xulgam que existe umha norma portuguesa “universal“, inserida dalgúm xeito - ainda nom explicado - na “Lusofonia“. Estes lusólatras escrevem, ou tentam escrever, para falar com propriedade, num portugués culto tal coma o faria um lisboeta. Apenas se permetem qualquer dialetalismo ocasional, mas nom moitos, nom forem escachar a unidade da lingua ... e gostariam que asim o fixesem todos os galegos. Som (do meu muito limitado conhecimento) os AGIL, Celso, Corredoira, Isabel Rei, Serna, Nambu, Joan Logo, Pedro Bravo, Concha Rousia, Paulinho, etc, etc ... todos eles AGLP’s ou pro-AGLP, claro.

Depois albisco os que estám pola criaçóm dumha norma específica para o galego, sem dizerem que iso signifique que o galego deixe de ser portugués. Estes os conhezo menos, devem ser menos a falar. Mas eu os identificaria, vagamente, coma os utentes da norma AGAL.

Todavia, nem tudo é tam claro, porque ha quem eu nom saberia quadrar num ou no outro grupo. O Carlos Durão seria um dos lusólatras, pois é membro da AGLP e despreza a norma AGAL; porém contempla muitos mais “dialectalismos“ (de todo tipo) para a norma dos galegos. O Valentím Fagim, mesmo sendo membro da AGLP, eu nem o consideraria fundamentalista lusista. De facto, ele mesmo fala contra a ideologizaçóm da questione della lingua. O EVAZSOU seria apenas um intelectual resentido (embora de muita valia) que está a criar-se um Pandora Lusista onde o seu valor e as suas visóns poidam ser reconhecidos. Nestes tempos parece andar agochado no interior da grande árvore, seica vai aprendendo das tácticas renartes dos da trincheira inimiga ...

Mas antes de analizar e expor, ou mesmo denunciar, as fraquezas desta ideologia, tenho de deixar bem claro que eu nom tenho nada contra as ideologias e as ideologizaçóns (enquanto respeitarem tanto o ser humano, em todos os seus aspeitos, coma o nom humano). A minha crítica contra o fundamentalismo lusista alicerza-se na sua incapacidade para se constituir em verdadeira alternativa a aquelas ideologias que estám dando cabo, com suceso palpavel, da naçóm ou povo galego e da sua lingua. A ideologia espanholistas e a sua “sub-ideologia“ galego-isolacionista ou isolopata resistem melhor as minhas críticas polo simples facto de estarem bem instaladas nas cachuchinhas dos galegos. O fundamentalismo lusista, porém, nom tem hipótese nehuma de deslocar esas ideologias. O fundamentalismo lusista se apresenta como a energia nuclear dos galegos que ainda querem ser galegos face ao poder do espanholismo. Porém, nom há nem infraestrutura nem maos nem vontade para criar esa superenergia. Por muitos “papeis“ que escreverem, por muitas asociaóns de inteletuais e academias e irmandades, iso nom cria energia popular. Mais de 30 anos a dar a mazada lusista, e os galegos continuam alheios ou indiferentes á vosa ideologia. Nada indica que iso va mudar no futuro próximo.

A ideologia é boa ou má quando existir nas cabezas das persoas. Fora delas, nom é nada. E a vosa, que naceu na marginalidade, tem-se desenvolvido com vocaçóm de marginalidade. Ficaredes na marginalidade, como umha seita mais. Esbardalhar é a vosa teima, e fazede-lo moi bem para o voso reduzidísimo auditorio. Fora dele, nom sondes nada.




Última edição por Gascon em Qui Fev 17, 2011 2:27 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Isto foi a “introduiçóm“

Mensagem  Gascon em Qua Fev 16, 2011 7:10 am

Isto foi a “introduiçóm“. A seguir desenvolverei as minhas críticas concretas à vosa ideologia marginal.

Tendes sorte que eu som apenas um pobrinho lunático que nem vive no voso país. Para muitos de vós eu som apenas um troll. Podedes me xulgar como tal, mas a minha palavra escrita resta aí pra vos xulgar a vós. Mesmo que eu sexa coma o Balbino, um ninguém.
avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  paulo em Qua Fev 16, 2011 4:37 pm

Qual é a tua proposta?

Não escreves em Português da Galiza, nem em AGAL nem em RAG. Escreves sem norma nenhuma. De qualquer maneira.

Qual é a tua proposta?

É impossível rebater se .... não sabemos qual é a tua proposta.

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

A cousita esta-che muito mal, bom. Já. A cousita esta-che fodida. Não sei....

Qual é tua proposta?.

:::::::::::::::::::::::::::

Obrigado.
avatar
paulo

Mensagens : 117
Data de inscrição : 01/02/2011
Localização : sonhando com Dália

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

A minha proposta

Mensagem  Gascon em Qui Fev 17, 2011 8:15 am

Paulinho, nom escrevo nem em Português da Galiza, nem em AGAL nem em RAG, verdade, embora estea muito próximo da proposta agálica. Mas tampouco escrevo de qualquer maneira. Simplifico o sistema de acentuaçóm (ou mesmo o modifico, mas sempre com criterios didácticos) e amoso umha certa consistencia ortográfica e morfológica. Apenas estou a sugerir o caminho para o galego do futuro, O GALEGO DE SEU.


Eis a minha proposta:

http://ogalegodeseu.blogspot.com/


Tenho matinado os principios normativizadores e as reformas precisas. Eu som um pobrinho lunático, half human - half troll, mas cecais haverá quem leia a minha proposta e se ponha a trabalhar no senso acertado.


Sem sairmos dos referentes do velho debate, isolacionismo versus reintegracionismo, nom se poderá avanzar (mais do que em espazos moi reduzidos, onde os poucos agentes que os habitam se magnificam a efeito lupa eles próprios). Ha que desfazer ese chiringuito de intelectuais e levar o debate á casa dos galegos (dos que queiram de verdade ser galegos), na linguaxe que eles comprendam. Por todas as cartas enriva da mesa.
avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  Nambuangongo em Qui Fev 17, 2011 11:03 am

Gascon, já tenho comentado algumas cousas da tua proposta, e não vou repetir nem perder muito tempo, porque parece que és surdo e nada escutas. Só dous conselhos:

1. Apresenta a tua proposta no lugar adequado.
Os que já escrevemos em AO ou normAGAL temos normativa, não necessitamos mais ainda. E menos uma «normativa ponte» porque nós já cruzamos o rio e estamos na outra beira. Que queres, convencer-nos do reintegracionismo aos reintegracionistas? Laughing

Difunde-a entre os isolacionistas. Como «normativa ponte» são eles quem a precisam, não nós. Podes começar pelos «reintegracionistas platônicos» e continuar na RAG. O Ferrín seguro que acha interessante...


2. Se é uma proposta didática, limpa-a de erros.
Porque tem muitos, e consistência pouca. Postos a inventar, inventa bem. Poderia criticar dela muitas cousas, mas não tenho nem tempo nem ganas, só tocarei um ponto a modo de exemplo:

Dizes que simplificas o sistema de acentuação. Mentira, atrapalhas o sistema de acentuação, e crias um sistema de acentuação contrário às características da língua. Uma das características diferenciadoras do galego-português é a ausência de ditongos crescentes. Existem duas excepções, os grupos QUA e GUA, mas não me vou estender. Pois bem, a tua proposta ignora esta característica fundamental, e incita a não saber fazer a separação silábica corretamente. Por outro lado, não tem critérios coerentes, ora bebe da norma castelhana, ora da portuguesa, mas arbitrariamente. Também não arranja a problemática da existência de vogais abertas e fechadas, isso que tanto preocupava ao Venâncio e aos detratores do Acordo Ortográfico. Finalmente, não simplificas nada para um possível utente vindo do isolacionismo, ainda lhe complicas a vida. Para simplificar com esses critérios, melhor que adotes o sistema de acentuação inglês... Sad


Por que perdes o tempo em cousas já resolutas, as necessidades estão em outros âmbitos!
Não te estarás tornando um fetichista ortográfico?
avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  Gascon em Qui Fev 17, 2011 2:26 pm

Moi mal, Nambu, moi mal. Para xa, este fio nom é para explicar a minha proposta de lingua, mas para explicar a falacia da vosa ideologia. Eu apenas informei o Paulinho quando ele me perguntou.

Ainda pior:
Difunde-a entre os isolacionistas. Como «normativa ponte» são eles quem a precisam, não nós. Podes começar pelos «reintegracionistas platônicos» e continuar na RAG. O Ferrín seguro que acha interessante...

Traiu-che o subconsciente, meu. Eles, os isolacionistas, som o povo galego. “Nós“ (vós) nom sondes nem o 1% dos galegos. Que che fai pensar que sondes tam importantes, ou necesarios? E sobre o Ferrín, muita retranca a tua ...



2. Se é uma proposta didática, limpa-a de erros.
Porque tem muitos, e consistência pouca. Postos a inventar, inventa bem.

Repito: nom é este o fio para a explicar. No meu blogue vou-na desenvolvendo, para quem puider interesar. Apenas apontar que a tua ideologizaçóm mais umha vez nom che deixa ver o valor real didáctico, pragmático, da minha proposta na ortografia. Para o 99% dos galegos, imersos num mundo hispanófono, pode servir para se irem “desmamando“ sem grandes traumas. É por tanto, umha proposta muito pragmática e aplicavel, mas no senso contrario da isolopata. Mas diso, de practicidade, ti nom sabes nem puto, claro.


Hala, xa che som as horas para as preces da noite ...
avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  paulo em Qui Fev 17, 2011 3:39 pm

Caro Gascon, não quero ser cruel, pero se entre agálicos e lusófonos da Galiza fazemos um 1%, quanta é a percentagem que abrangues tu?. Rolling Eyes

Deve ser que tens uma editorial, uma distribuidora, uma academia e muitíssimo tempo para encetar uma tarefa hercúlea de ir petar nas consciências dos galegos todos !!!!......

Como jogo está bem o de fazer brinquedos com a norma da língua. Pero só é isso: um jogo. Isso tu critica-lo também quando os outros fazemos propostas, pero semelha que se o fazemos trinta é onanismo, e se o faz um sozinho é mesianismo redentor.

Eu pessoalmente prefiro-che cousas acabadas. Pontes e normas de transição houve muitas, e "bucles" também.

avatar
paulo

Mensagens : 117
Data de inscrição : 01/02/2011
Localização : sonhando com Dália

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  Nambuangongo em Qui Fev 17, 2011 4:18 pm

Traiu-che o subconsciente, meu. Eles, os isolacionistas, som o povo galego. “Nós“ (vós) nom sondes nem o 1% dos galegos. Que che fai pensar que sondes tam importantes, ou necesarios? E sobre o Ferrín, muita retranca a tua ...

Não Gascon, não me traiu (traizonou?), disse exatamente o que queria dizer. Nós somos uma insignificante minoria, uma elite de merda. Não é a nós a quem tens de dirigir-te senão ao povo, às massas, às maiorias, ao 99%.

Falo a sério. Tens que dirigir-te àqueles que escrevem com Ñ e falam terminado em -CIÓN. Nisto não há retranca nenhuma.

E quanto ao didatismo, também falo a sério e sem nenhuma ironia. Se eu que conheço todas as normativas do galego (e ainda as de outros idiomas) não compreendo o teu sistema de acentuação, que farão esse 99% que só conhecem a do castelhano?



Continua rompendo os cornos meu, e bem-vindo ao fetichismo ortográfico. Descobrirás que as escolhas ortográficas encerram problemas linguísticos detrás. Os galegos de há séculos também as passaram putas até descobrirem que o H podia fazer de «comodin» para formar dígrafos.

Boa noite. Não te obsessiones muito.
avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  Gascon em Sex Fev 18, 2011 1:51 am

Nambu, é claro que tenho de me dirigir ao isolopatas e aos “isolopatados“, mas por enquanto vou deixando aqui, num foro de vós, as minhas ideias, para que nom digades um dia que eu andava a vos criticar polas falsas. É importante que vades sabendo por onde vam as minhas críticas. Sim, verdade, eu som apenas um pobrinho lunático meio troll, mas eu estou certo que algúm dia a minha “visóm“ ha vingar (cecais antes de ser demasiado tarde), e que a vosa nom tem hipótese nenhuma, porque naceu na marginalidade e tem vocaçóm de marginalidade.

Sobre a minha ortografia, que é simplesmente experimental, nom entendes nada e falas sem saber. Mas se te incomodases em ler no meu blogue os “meus principios normativizadores“ e as “minhas propostas ortográficas“, e matinar, acabarias por enxergar a lógica e consistencia da minha escrita, mesmo estando como está em fase experimental. Para o 99% dos galegos a vosa proposta normativa e ortográfica apresenta milheiros de obstáculos, e vós nom tendes nenhuma estrategia concreta para os vencer, para além das vosas prédicas ideologizadas e pequenos sucesos fóra do país. A minha proposta de lingua escrita, porém, é muito factivel e qualquer galego que tenha sido razoavelmente escolarizado em norma RAG e que se exponha um bocadinho á lingua portuguesa (o qual é umha eventualidade muito posivel) nom terá problema algúm para a adoptar (até porque esta proposta nom é fetichista nem prescriptiva, e sim moi aberta e multéplice) numha cousa de dias, ou mesmo horas.

A vosa ideologia vos está levando a um beco sem saida, e a vos convencerdes muito bem vós proprios da vosa ideologia. Sim, estades cada vez mais convencidos, mas do 1% (sendo optimistas) nom pasades. E levades asim 30 anos, nada indica que podades tirar o reintegracionismo das catacumbas, porque no fundo a vosa ideologia tem um grande poder de desequilibrar a geopolítica peninsular, e por enquanto sodes apenas “consentidos“ porque sodes inofensivos. Eu presenciei e participei em Vieiros em inúmeros debates, e o triste e eterno espectáculo do isolopata convencido, o isolopatado apático ou aparvado e o lusista convencido deixou todo como estava, nada mudou. Quem é lusista é tal por vocaçóm de marginal, anti-sistema, nom por ser exposto à vosa ideologia e aos farrapos que algúns de vós arrebolam na rede.

Até o de agora as críticas ao reintegracionismo e ao lusismo forom todas moi deficientes, porque partem da (sub)ideologia isolopata, que é ainda mais carente. Eu vou neste fio expor as vosas fraquezas partindo doutras referencias, nom da isolopata. A única persoa que vos fixo qualquer crítica acertada, e de facto muito iluminadora, foi o Fernando Venancio. Embora ele tenha errado em empregar argumentos da ideologia isolopata ou em magnificar os seus argumentos coa lente da sua propria coita intelectual, tem apontado linhas de fraqueza muito claras. Mas quem conhecer bem a questóm, por ser parte dela, por ser galego, como eu som, pode chegar a enxergar outras fraquezas que fam do voso credo algo deficiente e criador de falsas ideias e esperanzas, e mesmo perpetuador do triste espectáculo que nos ocupa.

No meu próximo comentario comezarei por expor a primeira das vosas fraquezas. Seica haverá qualquer lusista com valor para ler o meu análise, mas duvido-o muito. Vós xa habitades outra dimensóm da realidade, e nela estades bem à vontade. Mas fique aquí o meu testemunho.

Saude.

(PS - comezo a suspeitar que a minha presenza neste foro nom é apenas “incómoda“ para algúns, mas mesmo está a te afuxentar a xente. O mesmo que se pasava em Vieiros cos isolopatas e isolopatados, que deixavam de ir la por mor de nós (daquelas eu era um de vós) lusistas. Quando ha qualquer pesoa que che pode desequilibrar as tuas crenzas, nom é doado de aturar, n’é? Seica deverias encerrar a minha conta.)




avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Procura da verdade

Mensagem  Gascon em Sex Fev 18, 2011 1:54 am

Paulinho, o voso é onanismo, sim. Mas o meu é a procura da verdade. Eu nom tenho poder nenhúm para guiar os galegos por um lado ou por outro, mas sim o de denunciar os falso apóstolos. Do lado que forem.
avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  Nambuangongo em Sex Fev 18, 2011 4:21 pm

Gascon escreveu:
(PS - comezo a suspeitar que a minha presenza neste foro nom é apenas “incómoda“ para algúns, mas mesmo está a te afuxentar a xente. O mesmo que se pasava em Vieiros cos isolopatas e isolopatados, que deixavam de ir la por mor de nós (daquelas eu era um de vós) lusistas. Quando ha qualquer pesoa que che pode desequilibrar as tuas crenzas, nom é doado de aturar, n’é? Seica deverias encerrar a minha conta.)



O teu narcisismo parece não ter limites. E não se passa pola tua cabeça que os teus comentários podem CANSAR ou NÃO INTERESSAR?

Eu já disse o que tinha a dizer da tua maravilhosa proposta. Não vou repetir mais. E acho que a partir de agora nem sequer vou perder tempo em ler os teus comentários paranoicos.

Adeus.
avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Primeira fraqueza do Fundamentalismo Lusista: a auto-negaçóm

Mensagem  Gascon em Dom Mar 27, 2011 4:13 am

Primeira fraqueza do Fundamentalismo Lusista: a auto-negaçóm

O Fundamentalismo Lusista, esa corrente radical em que o Reintegracionismo tem virado nos últimos tempos, e que postula a identidade perfeita de galego e português como única posibilidade de supervivencia do galego, leva paradoxalmente em si proprio a semente da destruiçóm daquilo que pretende salvar.

Numha especie de psicose anti-espanholista, inspira-se no modelo do agresor espanhol para re-criar (ou tentar recriar) o galego. Do mesmo jeito que o paleo-falante galego foi ao longo dos séculos acomodando a sua fala a umha serie de características que o aproximavam do falar do seu “amo“ castelám-falante, os fundamentalistas lusistas “copiam“ algumhas caraterísticas da lingua espanhola, concretamente aquelas que fam dela umha lingua de prestigio. “Se ao castelám lhe vai bem asim, ao galego tamém lhe deveria servir“; este vem sendo o seu razoamento, polo menos desde Carvalho Calero. O Fundamentalismo Lusista, ignorando que a lingua portuguesa adolece dos instrumentos e projecçóm internacional de que goza o espanhol, e que aproxima o binomio português-brasileiro a umha situaçóm um algo afím do seu correspondente holandés-sudafricano, pom todos os ovos na cesta da unidade normativa e ortográfica da lingua portuguesa. Se esta aposta é arriscada para qualquer agente portugués ou brasileiro, para o galego é simplesmente trasloucada, por umha razóm muito simples: aquilo que poderia fazer que o galego formase parte integral da Lusofonia radica precisamente em areas que ficam de fóra de qualquer norma prescriptiva e homogeneizadora do portugués.

Som os paleofalantes galegos do meio rural os que conservam no seu léxico, fraseologia e morfologia (mesmo com muita deturpaçóm castelá) todos os materiais que um brasileiro, um portugués ou um angolano identificariam como “português“. Estes dous simples artigos ilustram perfeitamente este ponto:

http://www.diarioliberdade.org/index.php?option=com_content&view=article&id=12219:cabeca-de-vento&catid=203:logo-se-aprende&Itemid=21

http://www.pglingua.org/noticias/entrevistas/1976-carlos-nunez-ldo-brasil-surpreende-a-presenca-de-palavras-chave-do-imaginario-galego-que-ali-estam-presentes-na-vidar
Carlos Nunez:
O que surpreende no Brasil quando chegas é a presença de palavras mágicas, de palavras chave do imaginário galego e que ali estám presentes na vida. Acontece que às vezes estám presentes, mas com umha componente incluso até mais moderna, mais actual. Palavras que aqui permanecem quase de museu, por exemplo alvorada.

Porém, em nome da Unidade Normativa, eses elementos venhem sendo considerados polo Fundamentalismo Lusista como dialectais, e mesmo que a AGLP os tenha recolhidos e até enfiados num dicionario portugués, venhem sendo marginados dos seus escritos, e mesmo da sua fala formal. Ademais, sendo os fundamentalistas lusistas macizamente neo-falantes (seica ainda mais do que os isolopatas) eses elementos nom som conhecidos de primeira mao, e por iso nom sentem moitos escrúpulos para prescindirem deles. O substituirem-nos com outros que nom formam parte do imaginario dos galegos, por terem sido originados na “fase lusitanizante ou desgaleguizante“ do portugués, acarreta a eliminaçóm dumha serie de materiais que estám ainda vivos nos vernaculares do Brasil (e seica doutras partes da Lusofonia). E aqui está a falacia: A “lusofonicidade“ do galego nom pode ser valorada em termos dos escrupulosamente lusitanizantes escritos dum moi reduzido e marginal grupo de intelectuais galegos, mas na correspondencia entre o falar dos paleofantes galegos e a matriz galega dos falantes dos variegados vernaculares da Lusofonia. Fóra deste eido, o galego nunca formou parte da Lusofonia. Mas a proposta normativa do Fundamentalismo Lusista nom deixa lugar a “frivolidades dialectais“, com o qual está a querer apanhar o ouro mas sem ver (ou sem querer ver) que está tamém matando a galinha dos ovos de ouro. O Fundamentalismo Lusista xa nom acredita no valor dos paleofalantes como guia de revigorizaçóm do galego, como tampouco nunca creu neles o Isolacionismo, que se limitou a “domesticar“ (no senso espanholista que activarom os neofalantes urbanitas) os falares do “pobo“, embora na sua retórica sempre falou desa referencia.

A “Lusofonicidade“ do galego dos Fundamentalistas Lusistas convirte-se asim no simples construto intelectual e revisionista dum molho de irredentistas radicais, que se pretendem representantes (e iluminados redentores) do povo galego lusófono. Mas som eles proprios os que negam os elementos identitarios que fam do galego e dos galegos parte da Lusofonia. A sua estratégia é um “bolt-on“, um « top-bottom », um querer parafusar um modelo alheio (e que de ser aceite suporia umha ameaza direta ao espanhol e a estabilidade política peninsular) sem o querer ligar às suas raizes. Bastará qualquer ventania de inverno do leste para a escangalhar. Por iso, por mor desta simples (mas nom única) fraqueza, a auto-negaçóm do galego, o Fundamentalismo Lusista está condenado à marginalidade, ao fracaso.


Última edição por Gascon em Dom Mar 27, 2011 4:32 am, editado 1 vez(es)
avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Conselho amigo

Mensagem  Gascon em Dom Mar 27, 2011 4:28 am

PS - Concedo-me a licenza de reproduzir aquí o que escreveu (no meu enderezo email) um amigo portugués de nós, bó conhecedor da nosa teima, a propósito dos fundamentalistas lusistas:

" ... Não conseguiram ainda nada de tocável na "lusofonia", exactamente porque não sabem como convencê-la. Depois, como eles próprios não conspurcam com galego o seu português, o seu único conseguimento - a inclusão do "Léxico da Galiza" no corrector ortográfico da Priberam - é como se não existisse. São estúpidos até esse ponto."
avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  Esquerdolas em Dom Mar 27, 2011 7:46 pm

Li por alto. Alvorada é o mesmo que amanhecer. Acho que é de uso comum no português. Usa-se muito em toque da alvorada, nos quartéis, e é o nome de certas músicas tradicionais, que abrem as festas.
c

Esquerdolas

Mensagens : 27
Data de inscrição : 26/02/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  Esquerdolas em Dom Mar 27, 2011 8:01 pm

Os galegos falam uma língua que me parece, desde um português que é difícil localizar dentro do mapa mas que está algures no norte, a um português falado por espanhóis. Mas sempre que me falaram em galego, assim de repente, sem aviso prévio, foi essa a minha reacção. Também o português de transmontanos emigrados em Espanha, pareceu galego a uns amigos meus portugueses. Eu sei que isto não vem ao caso, e peço desculpa.

Um falar brasileiro que aprecio:


Esquerdolas

Mensagens : 27
Data de inscrição : 26/02/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Segunda fraqueza do Fundamentalismo Lusista: A auto-exoneraçóm na Desfeita

Mensagem  Gascon em Sab Abr 02, 2011 5:46 am

Segunda fraqueza do Fundamentalismo Lusista: A auto-exoneraçóm na Desfeita

Tenho eu para mim que a desfeita do galego - lingua e povo - é hoje umha realidade ineludivel. Desde que a comunidade dos galegos se vem consolidando arredor dumha identidade cultural regional-española, na qual o elemento galego é sempre mais marginal - quando nom burdamente travestido - nom se pode negar este triste estado. O “galego“ falado e escrito que campa ou folga no país, o galeñol, basta para dar fe dele.

Verdade, hoje o “galego“ funciona coma umha lingua separada do portugués, mas amarrada na órbita do espanhol, de facto como dialeto regional dele. Xa foi bem explicado, a partir do reintegracionismo, a futilidade e ruindade do projecto isolacionista que levou a esta situaçóm. Porém, é este o projecto (ruim) que vingou, e a “lingua galega por elaboración“ é agora umha realidade perversa. O esgalhamento do galego da ponla comúm que o empatava ao portugués está consumado. Foi nos finais do século XX quando este aconteceu, e nom no século XIV ou nos finais do XIX, como argalheiramente venhem postulando os isolopatas. Foi no derradeiro quarto do século XX, coa incorporaçóm ao galego dos neofalantes urbanitas (inteletuais, xornalistas e políticos, todos profundamente espanholizados), numha dinámica galeguista apenas nas aparencias, porque no fundo formava parte do proceso (secular) centralista (bourbon ?) españolista, que a lingua dos galegos enquanto co-dialeto lusófono foi simplesmente trucidada. E aí os lusistas, claro, nom tenhem culpa nem responsabilidade nenhuma. Ou tenhem?

Polo pouco que eu sei, das minhas leituras internéticas dos dous últimos anos, e mais as minhas intuiçóns como sujeito galego, suspeito que houve polo menos dous graves erros estratégicos no reintegracionismo. E estes nom só resultarom num “backfire“ (tiro no pe deles proprios), mas ainda axudarom a consolidar o podre projecto galeñol. Estou a falar da proposta do Rodrígues Lapa de fazer do português a norma culta galega. Estou a falar da declaraçóm dos cregos lusistas (os treze de Roma, se nom estou errado) sobre o galego ser portugués. No primeiro caso eu poderia desculpar o desconhecimento que um filólogo portugués puider ter sobre a realidade da “psique“ galega. No segundo, prefiro nom desculpar o dogmatismo de qualquer tipo, for religioso ou nom. Na fe do neoconverso, como foi a minha lusista, pode-se albiscar qualquer ingenuidade ou inocencia. Na daqueles que mudam umha fe, a cristiá, por outra, a lusófona, eu nom atinxo a tanto.


Mas a tentaçóm, é verdade, estava aí. Os factos eram, e som ainda nalgumha medida, claros para quem tiver olhos (ou ouvidos, para falar melhor) e boa vontade para os usar. A proximidade de galego e português era inegavel. Por exemplo, era mais doado incorporar as falas labregas galegas na norma culta portuguesa do que fazer o mesmo coas falas vernaculares brasileiras. Moitos exemplos, na velha Europa, apontavam tamém para esa escolha do português como nivel culto do galego ser a escolha “natural“: na propria Italia, estados independentes coma o de Génova vinham empregando o toscano culto na administraçóm propria, quando o ligur era moito mais distante do toscano do que o galego é do “lisboeta“. Mas o erro está em magnificar esa olhada de filólogo e ignorar as realidades geo-políticas e culturais (em senso largo). Os galegos mais galegos (os “labregos“ e marinheiros), embora falasem um galego esencialemente galego (= lusófono) xa vinham sendo espanholizados (noutros aspectos antropológicos e sociais) de séculos, até ao ponto de serem eles proprios anti-lusistas (auto-odio?). De facto, no imaginario galego popular o portugués é visto como alheio, embora moi semelhante (ou mesmo “irmao“). Por outra banda, para as capas populares, a única posibilidade de melhora social e fugida da pobreza endémica (ou ilusóm de tal) nom pasava por fazer esa identificaçóm galego = português, bem ao contrario. Engadam a iso o lavor españolista (consciente e inconsciente) dos neofalantes urbanitas, o control político espanholista, e xa tenhem o quadro da imposibilidade do “português da Galiza“.

Por iso, quando no anos 70 se fixerom esas reunións de filólogos para criar a norma galega, o dogmatismo lusista estava condenado ao fracaso. A ideologia e o dogmatismo nada poderiam contra a realidade espanholeira e franquista / post-franquista. Qualquer proposta normativa no senso de fazer do portugués o nível culto galego era irrealizavel. Os isolopatas sabiam-no bem. Suponho que muitos reintegracionistas (moderados) tamém o sabiam. E suspeito que os fundamentalistas lusistas daquelas, do mesmo jeito que os de hoje, nom “operavam mentalmente“ na realidade do país, mas no seu próprio Pandora lusófono.

Mas a questóm que interesa propor agora é: se a imposibilidade da proposta lusista radical era tam evidente, por que nom se tentou chegar a um acordo cos isolopatas para fazer umha norma galega de seu (mesmo apenas transitoria), e nom tam macizamente castelhanizada como a que vingou? Por que nom se trabalhou no senso do que propunha, se nom estou errado, o Carvalho Calero? Umha norma escrita similar á que eu proponho, sem sequer ter de ir tam longe coma a que mais tarde xurdiria na AGAL?

Eu suspeito que o dogmatismo dos lusistas daquelas lhes impediu renunciar aos seus principios ideológicos, e que para os isolopatas (uns “ingenuamente“ isolinos, outros ruinmente espanholistas) o espectro dese lusismo recalcitrante irredentista foi a escusa perfeita para dar o seu “coup d'état“ galeñoleiro, cuxas consequencias som hoje evidentes a todos.

Conceder aos isolinos que o galego era lingua de seu, separada do português (mesmo cumha piscadela de olhos entre eles, ou um eppur si muove baixinho) em troques de quaisquer ganhos morfo-ortográficos e léxicais (e tempo e energia poupadas para futuras batalhas), nom entrava no programa dos libertadores lusistas. No mundo do reintegracionismo nom ha mais que dous bandos, o bom ou da « grande verdade » - eles - e o dos maus ou dos trasviados españolizados. E a grande verdade do galego, pola que loitam heroicamente, nom pode ser maculada. Sempre suspeitei desas simplificaóns e maniqueísmos, e de culpar os outros de todo o errado.

Mas tranquilos todos: agora xa se montarom o seu proprio chiringuito, no planeta Pandora, e seica vam comezar a vender livros no Brasil, para ganho deles, claro, ou seica, mais altruisticamente, para pagarem a armada e a marina do Sacro Imperio Lusófono, que vam vir estabelecer um “no-fly zone“ dos Ancares á Vigo, onde o espanhol (ou o galeñol, tanto tem) nom sexa permitido.




Última edição por Gascon em Dom Abr 03, 2011 6:48 am, editado 1 vez(es)
avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  Nambuangongo em Sab Abr 02, 2011 10:21 am

Sleep
avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

quem calar ...

Mensagem  Gascon em Sab Abr 02, 2011 2:30 pm

Nambu, pr’os preguiceiros / cínicos nom ha mais que ler o que salientei em negrito. Se algúm dia vierdes a sair das catacumbas (duvidoso) teredes que responder a este tipo de questóns que eu venho pondo neste fio. As críticas a partir do isolacionismo som moi carentes, xa sabemos, por se basearem na moi podre sub-idoeologia isolopata, na hipocrisia ou no preconceito e na ignorancia.

Mas ao respeito da auto-exoneraçóm igual estou eu errado, e os isolopatas teriam argalhado a mesminha norma galenhola, com o ñ e toda a demais morralha, ainda que nom houvese daquelas nem um só fundamentalista / irredentista lusista implicado no debate / trabalho normativo. Eu estou apenas a suspeitar que os lusólatras fixerom o mesmo que os talibáns no Afeganistám: xustificar a necesidade da invasóm yanki / españoleira. Mas eu nom estava alí, e por tanto nom sei. Mas a minha suspeita aquí fica.
avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Terceira fraqueza do Fundamentalismo Lusista: a consolidaçóm do trincheirismo normativo radical e suicida

Mensagem  Gascon em Sab Abr 09, 2011 3:47 am

Terceira fraqueza do Fundamentalismo Lusista: a consolidaçóm do trincheirismo normativo radical e suicida

Para além de eludir a responsabilidade propria na desfeita do galego, o Fundamentalismo Lusista vem exercendo umha influencia constante sobre os ditados e acçóns dos isolopatas, exacerbando a sua isolopatia e filocastelania desgaleguizadora. Os galegos lusólatras, ao apresentarem a sua proposta Lusista coma a única e verdadeiramente galega posivel, estám consequentemente a fornecer de armamentos argumentais e ideológicos â outra proposta, e a reafirma-la e segura-la. Esa simplificaçóm da Questione della lingua galega, sob os parámetros “ou eles ou nós“, é o mais grande favor que lhe podia cair do ceu à Isolopatia Galenholista, que pode asim dizer: visto que a imposibilidade do Fundamentalismo Lusista é evidente a todos os galegos (agás para os proprios afetados por esa condiçóm de lusofilia) nom pode haver dúvida que é a nosa a que deve prevalecer, pois, como até dim os nosos proprios antagonistas, nom ha outra posivel.

É sob esta óptica que se pode explicar a derradeira argalhada isolopata da normativa da “concordia“, as NOMIGAs de 2003, se nom estou errado. Esa reforma normativa confirma a isolopatia, porque adopta elementos discursivos do reintegracionismo mas apenas como estrategia esvaziadora dele (é coma quando a Constitución espanhola di que todos tenhem direito a casa e trabalho, algo vacuo e que nom obriga a nada, mas que dá umha aparencia humanista e solidaria). Mas, podia ter sido doutra maneira, e as NOMIGAs esas sim terem recuperado materiais galegos ainda vivos no portugués, a comezar pola escrita etimológica, quero dizer, por algúns dos elementos desa escrita e morfologia, por exemplo? E a resposta é doada: fazer tal teria sido conceder a derrota aos desvairados lusistas, dizer, tinhandes razóm, eis como agora imos ir na vosa linha. Na guerra das trincheiras, qualquer concesóm mínima pode ter consequencias em cadeia catastróficas. Decerto que a trincheira dos lusólatras, comparada coa dos isolopatras, era bem minúscula, mas conceder-lhe ganhos, mesmo pequenos, poria em evidencia que atrás desa trincheira ha um exército, virado de costas, sim, que os isolopatas nunca poderiam antagonizar. Havia, por tanto, e ha ainda hoxe, que esmagar os lusólatras. A semelhanza do galego co portugués poderia, como dizia aquele barrigudo da RAG, “succionarnos“. E aí se lhes acavaria o choio. E se qualquer ganho do Fundamentalismo Lusista é umha ameaza para os isolinos (e eles preferirám afundir-se no barco que conceder victorias à trincheira inimiga), nom digamos xa para o espanholismo. Mas este ainda nom sabe destes lusólatras, tam insignificantes som. A AGLP nom é perigosa, porque o povo / pueblo galego a ignora. Mas se vierem a conseguir ganhos substanciais, o peso do espanholismo (e os seus aliados portugueses e galego-isolopatas) ha-esnaquiza-los decontado. O Brasil fica moi longe, tirado para tres ou quatro trepas lusófilos inteletuais e editores.


Enfim, eu coido que de nom existirem estes lusolatras, algúns deles com décadas de existencia na trincheira (daí que haxa quem nom se importe em saire a cantar christmas carols cos inimigos, embora outros sim que lhes agardam co coitelo entre os dentes), quaisquer reformas regaleguizadoras sim seriam posiveis. Mas está claro: gente coma o Fagim e o Freixeiro Mato estám condenados a nunca se encontrarem no aberto. Qualquer gesto de mediaçóm nom será posível, porque os francotiradores dumha banda (os Ferrin e os seus canzinhos coma o Cuerdal) e da outra (os AGIL e Dona Isabel, cos seus canzinhos coma o amigo Nambu e Pedrito el Lusista, por mencionar apenas dous) nom vam deixar que tal aconteza. O curmanzinho de zumosol, aka Acordo Ortográfico, dá moitos azos, e algúns fundamentalistas lusistas xa se xulgam invenciveis e prestes a tomar Tripoli.

Mas em qualquer caso, a vida nas trincheiras até é agradavel. Coa “interné“ e as criaçóns académicas até se pasa bem. Futuras historia pra contar ao pe do lume. Mas ao romper do novo dia haverá um só vencedor: o espanhol.


avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  Nambuangongo em Ter Abr 12, 2011 8:14 am

Hahaha, um isolacionista escrevendo insultos por fascículos.
Para quando a quarta entrega? Não lerei nada até ter a coleção completa.
avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Resumo ...

Mensagem  Gascon em Sab Abr 16, 2011 2:29 am

Nambu, meu rei, xa que nom queres ler até teres a coleiçóm completa (som por aí uns 9 ou 10 "fascículos") fazo-che um pequeno resumo do “publicado“:

No “primeiro“ acuso-vos de expurgardes o galego de marcas genuinas (= lusófonas, no voso baralhete) de identidade, por nom coincidirem coas soluiçóns concretizadas no padróm culto de Lisboa. 800 delas, lexicais, meteste-las numha caixa, “retirada“ no falhado. Outras, fraseológicas, morfológicas ou sintácticas, igualmente “lusófonas“ (a menos que nom consideredes lusófonos os vernaculares do Brasil, por exemplo) nem dades conta deles. (E xa agora, nos Açores, polo menos em São Miguel, dim “cincocentos“, sabias?. Escrevermos ou dizermos em galego 500 desa maneira nom rompe a vosa “unidade da lingua“, aliás, a fortaleze, polo menos nos olhos dum açoriano.)

No “segundo“, acuso-vos de desencadeardes umha purga antilusista aquando os tempos da criaçóm da norma ILG-RAG, por agitardes a pantasma irredentista na face dos espanholistas e galenholistas, ao proclamardes galego=português. Esa purga resultou na norma galenhola, e fixo imposivel a criaçóm dumha norma genuina galega, porque a sua semelhanza coa portuguesa seria tam evidente que nom haveria argumentos para rebater o voso irredentismo linguístico, e subsequentemente a caixa de pandora geo-política seria aberta. Nom fostes renartes davondo, moi posivelmente por mor do voso fundamentalismo ideológico. A responsabilidade da desfeita é tamém vosa, eu acuso.

No “terceiro“, acuso-vos de perpetuardes esa abominaçom ILG-RAG, por terdes tomado o rumo do reintegracionismo, quer dizer-se, por ter o reintegracionismo virado “radical“, com o qual qualquer tentativa de reforma/recriaçóm normativa nom tem nenhuma hipótese, xa que para vós qualquer cousa que nom coincidir co português nom avonda. O qual reforza os argumentos dos isolopatras: coincidindes com eles em que só ha duas opçóns, a vosa ou a deles. Se nom é boi é vaca. E pronto. Asim eles xustificam a sua argalhada. E coma para a maioria dos galegos - indiferentes ou educados no tevegalho - o português é algo estrangeiro, o resultado deste trelo só pode ser um. Muitas mercés a vós!


Mas parece que estou a decobrir a pólvora em molho:


http://www.pglingua.org/images/stories/pdfs/2008/20081018_fogo_cruzado_bernardo_penabade.pdf
Vai para a página 20, vai ...

avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Revisóm

Mensagem  Gascon em Sab Abr 30, 2011 4:01 am

Devo fazer umha revisóm á segunda fraqueza do fundamentalismo lusista, referente á sua auto-exoneraçóm sobre qualquer responsabilidade na desfeita do galego. Se bem que as declaraçóns dos treze de Roma e a proposta do Lapa eram ousadas, sobre todo a segunda, duvido que no fundo tenham tido qualquer efeito decisivo no coup d’état do ILG constantiniano. A verdade é que naqueles tempos, ainda sometidos aos poderes e influencias do franquismo, co Garcia Sabell e demais agentes espanholeiros a termar das rendas do poder em “Galicia“, qualquer proposta no senso de aproximar o galego ás suas raizes históricas estava condenada ao fracaso, ainda que fose moderada. Mesmo se, por qualquer manobra extravagante e de grande audacia, os reintegracionistas tivesem sucedido em se infiltrar no ILG, ou em qualquer outra instituiçóm oficial, e conseguido activar umha proposta normativa menos castelanizada e mais próxima do portugués, umha reaçóm da oficialidade contra ela acabaria por vir chumba-la, mais cedo ou tarde, e por instaurar o tipo de normativa que ainda temos hoje. Esperavel, desque qualquer insinuaçóm de que galego era portugués nom era permitida, para que se aproximar em nada da norma portuguesa, mesmo através dos usos históricos na Galiza?

Por tanto, vou eximir o fundamentalismo lusista de qualquer responsabilidade nesa segunda fraqueza (que, para melhor falar, seria um pecado mais que nada) mesmo que a proposta do Lapa tenha podido “acender as luzinhas vermelhas“ no espanholismo. Se os galegos (pola boca dos “de Roma“) nom tivesem dito nada sobre a relaçóm galego-português, estariam entóm a calar (a tradiçóm histórica do galeguismo) e consequentemente a “outorgar“ (à tradiçóm histórica no nacionalismo espanhol e anti-galego). Se o dixerem, como asim foi, estariam a dar a desculpa e aviso para actuar contra um galego soberano e fóra do control espanholeiro. Em qualquer caso, acho que estavamos xa perdidos. O fulano aquele deixara, sim, tudo atado e bem atado, aliás, as cousas xa se vinham “atando“ desde bem antes dele ...


E nom idealizemos todo, porque nesa desfeita os agentes eram muitos deles galegos (espanholistas) e o povo galego, mesmo sem moitas hipóteses para poder fazer ouvir a sua voz, foi cúmplice (por activa ou por pasiva) nesa argalhada, através dos seus complexos de inferioridade e pragmatismo de "trepas" que sabem que de Madrid sempre podem segurar-se melhores migalhas.

E o mesmo vai a respeito da terceira fraqueza, ou responsabilidade, do fundamentalismo lusista (ese que nega a existencia dumha norma galega específica, seica negarám tamém a existencia dumha norma angolana, por exemplo ... ) na desfeita. Seica estou a sobrevalorar a influencia do Fundamentalismo Lusista na reafirmaçóm da isolopatia, a qual é mais bem um sub-produto do abrazo secular do espanholismo, da doma e castración de Galicia, e a única maneira e forma em que o galeguismo tem conseguido sair á tona. Saiu, mas saiu capado. E continua a estar capado, por muitos alardes onanistas que os guiem ...
avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  Nambuangongo em Sab Abr 30, 2011 4:38 am

A alternativa ao «fundamentalismo lusista» é esta:



Esta é última campanha de «concienciación social» que andam a fazer o Servizo de Normalización Lingüística da Universidade de Santiago de Compostela.

Evidentemente é melhor estratégia, livre de «lusopatia». E bem seguro que com esta boa gente podes estabelecer diálogos e trabalhardes juntos por esse caminho na construção dum prometedor futuro, longe dos perigosos fundamentalistas do lusismo.

Ou podes continuar a ler-te a ti próprio e a revisar as tuas coletâneas de insultos e futilidades. Entretente, meu, por enquanto outros andam a trabalhar.

Um saúdo fundamentalista,
Nambu.


PS: Neste fio há um interessante comentário: http://anossalingua.forum-livre.com/t310-uns-sobem-e-outros-descem#1672
avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

O discurso callou

Mensagem  Nambuangongo em Sab Abr 30, 2011 1:24 pm

Estás um bocadinho desfasado e distanciado da realidade sociolinguística galega. Simplesmente não estás capacitado para falares de estratégias linguísticas para uma realidade que já não conheces. Acho que levas muito tempo fora da Galiza.

Antes de continuares com as tuas críticas à estratégia luso-brasileira e continuares o teu discurso da solução por via institucional ou por via do valor identitário da língua, deverias ler isto publicado hoje em GaliciaHoxe.com:

O discurso callou
Un informe do CCG detecta actitudes negativas cara ó galego no 10-20 por cento da poboación, no sentido da "non imposición" a nivel individual

Parte dos consensos nos que se alicerzou a Lei de Normalización Lingüística, como a galeguidade da toponimia, están sendo cuestionados. O discurso da liberdade de elección e a non imposición callou na sociedade. A maioría exprésase en favor da promoción do galego, pero no ámbito colectivo, sen que iso se traduza en comportamentos proactivos a nivel individual. As persoas ideoloxicamente afíns ó BNG son das que máis avogan polo bilingüismo. A identidade nacional é determinante nas actitudes cara ao galego. Son algunhas das reflexións que Carlos Neira tira dos datos da enquisa As actitudes lingüísticas en Galicia, que o Consello da Cultura Galega realizou no 2009.

As conclusións deste traballo, dirixido por Hakan Casares no que Neira participou, publicaranse nun libro. O primeiro Mapa Sociolingüístico de Galicia da Real Academia Galega detectou actitudes positivas cara ó idioma. Aínda que un estudo realizado entre o 2000 e o 2003, dirixido tamén por Hakan Casares, evidenciou a pervivencia de prexuízos entre os mozos, que identificaban o galego co pailanismo e o sectarismo partidario.

O Observatorio da Cultura Galega anticipou co gallo da XII edición dos Encontros para a Normalización Lingüística un avance dos resultados da enquisa do 2009 do Consello da Cultura Galega. E antonte, Carlos Neira afondou na cuestión na XIII edición deste seminario. En liñas xerais, a enquisa detectou unha actitude bastante positiva de cara ao bilingüismo, xa que case o 90% da poboación galega opina que é posible unha situación de igualdade nas competencias lingüísticas. "Estudos anteriores atopaban unha relación entre identidade galega e actitudes positivas cara ó galego. Agora esta relación sitúase nos dous sentidos, sendo o sentimento identitario e a ideoloxía o primeiro factor", explicou Carlos Neira.

Así, quen está a favor do galego séntese só galego ou máis galego que español, mostra unha forte afinidade partidaria co BNG e cre saber moito galego. Quen está en contra séntese só español ou máis español que galego e mostra unha certa afinidade partidaria co PP, declárase apartidario ou oculta a súa querenza política, e ademais considera que non sabe galego.

A idade, hábitat e condición económica e profesional son tamén factores relevantes. "Xente nova, con maior nivel de estudos, e categoría profesional alta, amosa actitudes positivas cara ó galego á marxe do sentimento identitario e a ideoloxía. E ese segmento da poboación pode ser receptivo a accións, medidas, mensaxes novos en favor do galego. Eu creo que é aí onde hai que traballar máis, con mensaxes positivas, tentando conectar con esa xente nova, neofalante, que valora o galego non só como un xeito de conservar a nosa cultura, senón como un ámbito máis de coñecemento e como unha posible oportunidade económica e laboral. Tentar superar a dialéctica da confrontación entre defensores e detractores do galego", apuntou. Habería que distinguir, porén, ao respecto, a nova clase media urbana profesional, receptiva ó discurso do plurilingüismo e a ecoloxía lingüística, da "vella clase media, non só das cidades. A vella burguesía, máis profesionais que veñen de fóra de Galicia".

A idea da imposición introducida no noso país por grupos como AGLI e Galicia Bilingüe "calou moito", -en contra da opinión expresada en diversas ocasións polo sociólogo Fermín Bouza, que cre que o tema da lingua non foi determinante nas últimas eleccións galegas, segundo os datos do CIS-. "Hai un 10-20 por cento da poboación que, cando se realizou a enquisa, nun momento de moita polarización de opinións porque foi cando se debatía sobre o Decreto do Plurilingüismo, amosa actitudes negativas cara ó galego. Pero eu non os definiría como inimigos do galego. A cuestión é que unha cousa é falar en termos abstractos, do que queres para o colectivo, e outra en termos individuais. É xente que che di que quere poder escoller, e que non está a favor do deber de usar o galego, ou que quere que na administración os atendan en castelán...", aclarou. O mesmo ocorre co 80 por cento que amosa actitudes positivas: hai unha diferencia entre dicir que se apoia a promoción do galego -a opinión que se considera politicamente correcta- , e adoptar comportamentos proactivos a prol do idioma a nivel individual.

Neira apoia a proposta do bilingüismo restitutivo de Henrique Monteagudo. "Asociar o galego á cultura tradicional é bo por un lado, pero pode reforzar o prexuízo de que non vale para a vida moderna. Non serve moverse no discurso identitario: nel, nin os defensores nin os detractores do galego se van mover. Pero a maioría da poboación non está con un nin con outro. O 60% séntese tan española como galega. O galego retrocede, e temos xa un 40 por cento da poboación que fala castelán, que á a lingua que favorece o ámbito laboral, o ocio... Se cadra, o que nos queda é xogar un xogo novo, con xente máis pasiva, con outras medidas...", indicou.

A volta ao consenso básico en materia lingüística é un obxectivo que comparten os tres grupos parlamentarios, segundo puxeron de manifesto onte Hermitas Valencia (BNG), Román Rodríguez (PP) e Francisco Cerviño (PSdeG). Pero o debate entre eles evidenciou a dificultade de que isto se faga realidade. Para o socialista, o consenso pasaría polo Plan Xeral de Normalización. O popular recordou que hai menos diferenzas fondas do que parece. A representante do BNG salientou que o consenso básico preexistente foi finiquitado polas disposicións do PP.



DETALLES

Cuestiónanse consensos básicos como o da toponimia

Unha das cuestións que detecta o informe son as opinións non favorables ás políticas lingüísticas ata agora implementadas. "Os que consideran que son malas as políticas do bipartito, de Fraga e de Feijóo, son os afíns ó BNG. Do resto da xente, os afíns ó PP teñen opinión negativa sobre as políticas do bipartito, que ven excesivas, e os afíns ó PSOE critican oas do PP, que ven insuficientes", explicou. Neira pensa que se sobrevalorou o poder das institucións na política lingüística, e que hai que ollar máis ó ámbito individual, familiar, das relacións informais cos amigos... Aínda que a idea non é nova. "A estratexia da FAES, de Galicia Bilingüe, conseguiu situar o debate no nivel individual. Apoderáronse do termo bilingüismo. Se cadra, do outro lado, non souberon responderlles. Agora temos un 30-35% da poboación que apoiaría os topónimos bilingües, e un 53% que está de acordo con que a lingua das familias debe ser o factor determinante da lingua a usar no ensino. A porcentaxe é máis alta en concellos máis rurais e entre persoas de estudos inferiores, galegofalantes ademais", lembrou. Así, parece que comezan a romperse consensos básicos.


http://www.galiciahoxe.com/mare/gh/discurso-callou/idEdicion-2011-04-30/idNoticia-663992/
avatar
Nambuangongo

Mensagens : 188
Data de inscrição : 25/12/2010

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Bem trolleado!

Mensagem  Gascon em Dom Maio 01, 2011 6:38 am

O Nambu, que escolhe não responder às questões que eu lhe coloquei noutro fio ( http://anossalingua.forum-livre.com/t303p10-paises-e-comunidades-de-lingua-portuguesa#1650), nomeadamente sobre como fazer possível que os galegos aprendam a norma portuguesa (normal que não responda, desde que não tem resposta alguma para dar), vem agora para rebentar este, apontando às fraquezas da isolopatia para desviar o tema que aqui se propõe. Well done!

Mas o troll são eu. Jaora!

And get your facts right, pal: eu não falo contra a “estratégia luso-brasileira“. O Valentim Fagim não é um fundamentalista lusista como tu. E mesmo utilizar a ortografia portuguesa, como eu estou a fazer neste comentário, não significa ser fundamentalista lusista. Quem afirmar a existência / necessidade da norma galega do português não é fundamentalista lusista. Fundamentalista lusista é quem, coma tu, se inflama todo quando aparece um diário on line reintegracionista que usa a norma AGAL, e não o padrão e o AO, ou quem fala da norma AGAL como “portunhol 2“, ou quem diz que existe só uma norma da língua portuguesa e evita escrupulosamente qualquer elemento na sua escrita que não coincida com a norma padrão e segundo o AO. Ou quem diz que a única alternativa ao oficialismo (isolopata) é o reintegracionismo radical (= adopção da norma portuguesa, que é apenas uma e a mesma para todos os países da Lusofonia).

Aconselho-che revisar o comentário primeiro com que abri este fio, Nambu, antes de continuar com as tuas “trolladas“ nele, que porém sim te servem bem para o distorcer. A isolopatia não está a ser criticada neste fio. Aqui trata-se do Fundamentalismo Lusista. Got it?
avatar
Gascon

Mensagens : 142
Data de inscrição : 28/01/2011

Ver perfil do usuário http://ogalegodeseu.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A FUTILIDADE DO FUNDAMENTALISMO LUSISTA

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum